sábado, 29 de novembro de 2008

EVANGELHO DO DIA/ Fonte Paulinas

Ano B - Dia: 30/11/2008



O dia e a hora

Mc 13,33-37

Vigiem e fiquem alertas, pois vocês não sabem quando chegará a hora. Será como um homem que sai de casa e viaja para longe; mas, antes de ir, dá ordens, distribui o trabalho entre os empregados e manda o porteiro ficar de vigia. Então vigiem, pois vocês não sabem quando o dono da casa vai voltar; se será à tarde, ou à meia-noite, ou de madrugada, ou de manhã. Se ele chegar de repente, que não encontre vocês dormindo! O que eu lhes digo digo a todos: fiquem vigiando!

Comentário do Evangelho

Vigiai!

O ano litúrgico, da Igreja, se antecipa ao ano civil. Com o Advento, que se inicia neste domingo, começa o ciclo litúrgico que durante as cinqüenta e duas semanas do ano refaz a trajetória da vida de Jesus e das comunidades que formam a Igreja. Com a expectativa do nascimento de Jesus inicia-se o ano litúrgico.
Nas celebrações eucarísticas, dominicais e feriais, se faz a releitura dos evangelhos e demais textos bíblicos ao longo do ano. As principais festas e os tempos litúrgicos se sucedem, recapitulando-se a vida de Jesus, aproximadamente em ordem cronológica. A liturgia do início e do fim do ano litúrgico destaca alguns textos no estilo escatológico, descritivo dos últimos tempos. Na perspectiva escatológica "tempo" (kairós) não é tomado como sucessão cronológica mas significa "ocasião", "oportunidade", "momento" (cf. Ecl 3,1-8). O próprio Marcos já registra no início de seu evangelho a proclamação de Jesus: "O tempo já se cumpriu" (Mc 1,15). Já se vive os últimos tempos. É o tempo do amor e da paz, é o momento do encontro com Jesus. A tônica do Advento é a vigilância para o reconhecimento de Jesus de Nazaré, o Filho de Deus, entre nós. Os evangelhos deixam transparecer que os próprios discípulos que conviveram com Jesus, marcados pela cultura e religião da época, foram lentos em compreende-lo. Os que permanecem dormindo não reconhecem o tempo de Jesus que vem ao seu encontro. O mundo em que vivemos é envolvido por uma onda ideológica e eletromagnética que, como uma rede, mantém retidos a muitos em suas malhas. Onda de falsos valores em torno do "ficar rico", individualizando as pessoas e desprezando os pobres e pequeninos. Esses falsos valores são amplamente divulgados pelas ondas eletromagnéticas das TV's que atravessam todas as paredes, e pela mídia em geral. O desrespeito à dignidade humana gera a onda crescente de violência. Estar vigilantes é escapar das malhas dos poderosos deste mundo e reconhecer e aderir à mensagem libertadora e vivificante de Jesus que vem ao nosso encontro. É comprometer-se, alegres, com a prática da justiça, conforme os caminhos de Deus (primeira leitura). O ano que desponta é o tempo da construção do mundo novo possível, pois é fiel o Deus que nos chama para realizar tal sonho (segunda leitura).


Oração
Senhor Jesus, que eu esteja vigilante à tua espera, para ser encontrado perseverante no amor e cheio de esperança de ser acolhido por ti.


Leitura
Is 63,16b-17.19b; 64,2b-7
1Cor 1,3-9



Salmo
Salmo 80(79)
Senhor, faze brilhar o teu rosto e seremos salvos.

Convite para o lançamento da Agenda - LATINO AMERICANA Mundial

Irmandade dos Mártires da Caminhada de Jacareí promove lançamento da Agenda Latino-americana Mundial 2009.




No dia 06 de dezembro de 2008 a partir das 19h, na Sala Mário Lago, a Irmandade dos Mártires da Caminhada de Jacareí realizará, pelo terceiro ano consecutivo, o lançamento da Agenda Latino-Americana 2009, que terá como tema “Para um socialismo novo a utopia continua”.

Evento promovido em parceria com a Paróquia São José Operário de Jacareí e a Prelazia de São Felix do Araguaia contará com a participação de Mauro Kano, ex-vereador de São José dos Campos e atualmente educador social do CEPIS (Centro de Educação Popular do Instituto Sedes). Também com a participação do Prof. Ariovaldo Umbelino de Oliveira, professor titular de Geografia Agrária pela Universidade de S. Paulo – USP.

Idealizada por Dom Pedro Casaldáliga, Bispo da Prelazia de São Felix do Araguaia, a Agenda Latino-Americana Mundial, além de sua utilidade convencional, ela aborda a cada ano temas relacionados com a organização popular, com textos de vários autores como Frei Beto e Leonardo Boff.

A Cerimônia de Lançamento será aberta ao público.

A Sala Mário Lago se localiza no Pátio dos Trilhos região central de Jacareí.

Jeferson R. Souza

Equipe de Organização do Lançamento

Contato: 12 9183 3125

jefersonpmk@uol.com.br

Paulo José de Oliveira

Contato: 12 9765 4551

Oliveirapj@ig.com.br

AGENDA LATINO-AMERICANA MUNDIAL 2009



A Agenda Latino-Americana Mundial 2009 traz o socialismo como pauta principal para o próximo ano. Há 18 anos ela promove reflexões sobre a situação política e econômica da América Latina e do mundo. Distribuída em várias línguas, ela está presente em todo continente americano e europeu. Nesta edição de 2009 a Agenda Latino-Americana Mundial é editada e distribuída também fora do Brasil, por entidades de diversos países como Canadá, Cuba, Espanha, Argentina, Itália, Suiça, entre outros. Nela são encontrados os aniversários de mártires, artigos de economistas, sociólogos, historiadores, teólogos, entre outros estudiosos e pensadores do mundo, como Frei Betto, D. Pedro Casaldáliga, Leonardo Boff, João Pedro Stédile, Paul Singer e Jung Mo Sung.
O objetivo da Agenda para o ano de 2009, editada pela Editora Ave-Maria, é promover discussões e trazer propostas para uma nova realidade social, fundada em outro modelo de produção econômica. Além de funcionar como uma agenda pessoal ela pode ser utilizada como instrumento pedagógico, para ser apresentada em reuniões de grupos políticos, de estudantes e de comunidades diversas. Ela indica datas históricas, para que o leitor conheça os movimentos políticos e sociais ocorridos na América Latina. A Agenda Latino-Americana Mundial, nesta sua maioridade de 18 anos, já se consolidou como “sinal de comunhão continental e mundial, entre as pessoas e as comunidades que vibram e se comprometem com as grandes causas da Pátria Grande”.
Para um novo socialismo, a utopia continua. Muito mais que um tema de capa, o socialismo é proposto pela Agenda como a grande pauta de reflexões e debates para o próximo ano de 2009. Tema desenvolvido e apresentado por muitos pensadores e militantes, para que, durante todo o folhear desta agenda, se possa aprofundar e perceber que um outro mundo é possível. Na agenda deste ano de 2008 que está chegando ao seu final, o tema foi: “A política morreu, viva a política”; e aqui repetimos D. Pedro Casaldáliga, que viva uma política outra “de justiça, de igualdade, de dignidade, plural em realizações concretas e autenticamente mundial frente à perversa mundialização do capitalismo neoliberal”.
Pensar um novo socialismo passa pela compreensão do modelo capitalista de produção que vivemos. Um sistema que se fundamenta na exploração da força de trabalho e prima pela acumulação do capital, capital este construído pela mais-valia, subtraída do sangue do trabalhador. Um novo socialismo é o contrário desta realidade. Pensar um novo socialismo é ser capaz de uma completa abstração. Há que se despir dos sonhos construídos no embalo do ter e não do ser-solidário; dos sonhos construídos nas luzes de neon do consumismo, consumismo voraz e devastador que ignora o tempo necessário para a recriação da própria natureza. Um novo socialismo não vislumbra o modelo de estado que temos, um estado que diminui investimentos na recriação da vida e os usa para salvar o capital em crise. Nesta Agenda de 2009, diz D. Pedro Casaldáliga, “queremos avançar, com tremor de aventura, perguntando-nos sobre a mediação sistêmica para uma política verdadeiramente humana e mundial.”
A Irmandade dos Mártires da Caminhada, nascida na Prelazia de São Félix do Araguaia, brotou também aqui no Vale do Paraíba. Homens e mulheres que acreditam numa Pátria Grande, numa América Latina sem fronteiras, assumem dentro da Irmandade o compromisso da luta por um mundo fraterno e solidário, sem explorados nem exploradores. Em encontro mensal a Irmandade lembra e celebra a memória dos mártires que, na América Latina e em todo mundo, deram suas vidas pela utopia da construção de um novo mundo; pessoas para quem a utopia nunca morreu. A divulgação da Agenda Latino-Americana Mundial é também outro grande compromisso da Irmandade. Por isto, desde o seu nascimento, a Irmandade dos Mártires em Jacareí promove o lançamento desta nossa Agenda. Será dia 06 de dezembro, ás 19 horas, na Sala Mário Lago – Fundação Cultural de Jacareí. Serão homenageadas entidades e pessoas, próximas ou distantes, que de alguma forma mostram que já se encontra em construção um novo socialismo, para o qual a utopia continua. Um Socialismo novo que antes das negações ele deve ser afirmativo. Que tenha aprendido com os erros históricos, e que esteja convencido que sua construção exige algumas colunas fundamentais, diz Casaldáliga: “a dignidade humana, a igualdade social, a liberdade, a co-responsabilidade, a participação, a garantia de alimento, saúde, educação, moradia, trabalho, a ecologia integral, a propriedade relativizada porque pesa sobre ela uma hipoteca social.” (citações da Agenda Latino-America Mundial 2009 - http://latinoamericana.org/Brasil/)

Paulo José de Oliveira
Membro da Irmandade dos Mártires da Caminhada – Jacareí - sp

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

EVANGELHO DO DIA/ Fonte Paulinas

Ano A - Dia: 29/11/2008



A necessidade de vigiar

Lc 21,34-36

E Jesus terminou, dizendo:
- Fiquem alertas! Não deixem que as festas, ou as bebedeiras, ou os problemas desta vida façam vocês ficarem tão ocupados, que aquele dia pegue vocês de surpresa, como se fosse uma armadilha. Pois ele cairá sobre todos no mundo inteiro. Portanto, fiquem vigiando e orem sempre, a fim de poderem escapar de tudo o que vai acontecer e poderem estar de pé na presença do Filho do Homem, quando ele vier.

Comentário do Evangelho

Discurso escatológico

O "discurso escatológico" é concluído com o incitamento à vigilância e à oração. Vigilância e oração são duas atitudes fundamentais na vivência no Reino de Deus, na comunidade e na missão. A inserção no Reino, pela fé, supõe a perseverança. Porém, "cuidado...", muitas são as seduções procurando afastar o discípulo de sua opção primeira. O mercado, que gera lucros fabulosos para os donos do poder, seduz as pessoas prometendo-lhes enriquecimento e oferecendo-lhes sofisticados produtos para o consumo. O empenho em usufruir da sociedade de mercado escraviza, torna o coração pesado e individualista, devido a preocupação com o gozo e o sucesso pessoal. Portanto, "cuidado... ficai atentos e orai a todo momento". Vigiar é cuidar de preservar sua liberdade e estar atento às necessidades dos pobres e dos oprimidos, procurando libertá-los das estruturas e dos mecanismos de dominação que os exploram. A oração contínua é a oração do coração, a oração do compromisso, a oração em comunidade. A oração é estar em presença de Deus, identificando-se com sua vontade e buscando luzes e forças para a realizar. Assim encerra-se hoje o ano litúrgico. Outro se segue, envolvendo, dia a dia, nossos corações no seguimento de Jesus.

Oração
Pai, ajuda-me a estar em permanente vigilância e oração, preparando-me para o encontro com teu Filho Jesus e ser acolhido por ele.

Leitura
Ap 22,1-7


Salmo
Salmo 94(95)
O Senhor é nosso Deus, e nós o povo sob seu governo.


Mais Sacerdote na Messe!


Alegria em dobro, no mês de dezembro para a Diocese de São José dos Campos. Dois novos sacerdotes serão ordenados.

No dia 6 de dezembro, o diácono Cláudio César Costa receberá o sacerdócio sob a imposição das mãos de Dom Moacir.

Já o diácono Thiago Domiciano Dias será ordenado sacerdote no dia 20 de dezembro.

Quem é diácono Cláudio César Costa

Sua vocação surgiu em sua comunidade, a Paróquia Coração de Jesus, por onde participou de pastorais e movimentos que o ajudaram a fortalecer sua decisão. Participando dos encontros vocacionais e tendo o acompanhamento do pároco, padre Geraldinho, diácono Cláudio foi amadurecendo e sentindo o chamado à vocação cada vez mais forte. No seminário, Cláudio foi acolhido pelos padres Jonas e Edinei, que o ajudaram ainda mais no discernimento. Pe. José Roberto, que foi o último reitor em seu período no seminário, também foi um dos padres com quem ele se aconselhou antes de sua entrada no seminário. Ele agradece aos padres e bispos que estiveram e continuam presentes nessa decisão.

Seu lema foi retirado dos ensinamentos de João (cf. JO 13,1) “Amar até o fim”, que o escolheu pelo ‘desejo de viver o amor e o anúncio explícito de Jesus Cristo. O amor verdadeiro toca o coração das pessoas’, enfatiza diácono Cláudio.

Ordenação Sacerdotal:

diácono Cláudio César Costa

Dia 6 de Dezembro, às 9h.

Igreja Nossa Senhora Aparecida (Paróquia Coração de Jesus)

Rua Maria Helena da Silva, 135 – Parque Interlagos.

Primeira Missa:

Dia 7 de Dezembro, às 19h.

Igreja Nossa Senhora Aparecida

Quem é o Diácono Thiago Domiciano Dias

Com a infância e a juventude vividas na Igreja, o Diácono Thiago Domiciano Dias sempre teve sua vida norteada por Deus, o que facilitou sua escolha pelo sacerdócio. Também tendo como paróquia de origem a Coração de Jesus, no Bosque dos Eucaliptos, o Diácono Thiago passou pelo grupo de jovens e por equipes de canto na missa.

A escolha do lema foi feita em outubro deste ano, durante um retiro em Itaici, São Paulo. “Ser Luz no mundo” (Jo 1,9) revela a identidade de sacerdote que o Diácono Thiago irá seguir, partir da ação da graça de Deus Pai no Filho pelo Espírito Santo e irradiar esta graça a todas as pessoas no mundo. “Através das moções do Espírito Santo, percebi quanto o presbítero é chamado a todo o momento a transmitir (irradiar) não a luz pessoal, mas a Luz que vem de Deus”, revela.

Ordenação:

Diácono Thiago Domiciano Dias

Dia 20 de dezembro de 2008 , às 9h

Igreja Coração de Maria (Paróquia Coração de Jesus)

Av. Ouro Fino, 2.111 – Bosque dos Eucaliptos – São José dos Campos – SP.

Primeira Missa

Dia 21 de dezembro de 2008 (Domingo)

Horário: 19h.

Igreja Coração de Maria (Paróquia Coração de Jesus).

Fonte: site da Diocese

Ajuda à população de Santa Catarina


A Diocese de São José dos Campos, diante da situação de calamidade que assola Santa Catarina, se solidariza com as vítimas das enchentes e lamenta a dor que envolve cada família atingida. Diante deste quadro, nos engajamos na Campanha de Arrecadação às vítimas. Poderão ser feitas doações de leite em pó, lençóis, água potável, fraldas, colchões, cobertores e encaminhadas aos seguintes Pontos de Arrecadação:

1)      Centro Comunitário Alto da Ponte (região norte)

Rua Alziro Lebrão, s/n – Alto da Ponte

2)      Centro Comunitário da Vila Industrial (região leste)

Praça José Molina, s/n – Vila Industrial (próximo ao Tiro de Guerra)

3)      Pavilhão de Exposições Fuad Cury (região sul)

Rua Valparaíso, 640 – Jardim América (Pavilhão de Exposições do Parque Industrial)

4)      SESI (região sul)

Av. Cidade Jardim, 4.389 – Bosque dos Eucaliptos

5)      Sab Novo Horizonte (região leste)

Rua dos Encanadores, 200 – Parque Novo Horizonte

6)      Corpo de Bombeiros

·        Vila Industrial – Rua Prof. Felício Savastano, 350

·        Vila Betânia – Av. Dep. Benedito Matarazzo, 7.963 (próx. Av. Tívoli)

 

As doações em dinheiro poderão ser efetuadas através da seguinte conta corrente, que posteriormente serão encaminhadas aos seus destinos.

CÁRITAS DIOCESANA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

             Banco Santander Banespa – Agência 0093

             Conta corrente 13005623-8

           

Contando desde já com sua colaboração, despeço-me enviando minha bênção.

            São José dos Campos, 28 de novembro de 2008.

Dom Moacir Silva  

 Bispo Diocesano 

Fonte: site da Diocese de SJC

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Evangelho do dia/ fonte Paulinas

Ano A - Dia: 28/11/2008



A lição da figueira

Lc 21,29-33

Em seguida Jesus fez esta comparação:
- Vejam o exemplo da figueira ou de qualquer outra árvore. Quando vocês vêem que as suas folhas começam a brotar, vocês já sabem que está chegando o verão. Assim também, quando virem acontecer aquelas coisas, fiquem sabendo que o Reino de Deus está para chegar. Eu afirmo a vocês que isto é verdade: essas coisas vão acontecer antes de morrerem todos os que agora estão vivos. O céu e a terra desaparecerão, mas as minhas palavras ficarão para sempre.

Comentário do Evangelho

A parábola da figueira

Esta curta parábola está inserida no "discurso escatológico". O escatológico-apocalíptico, que é a expectativa de um fim glorioso para Israel, tem sua origem na tradição do Dia de Javé, o dia da vingança sobre os seus inimigos e de glória e poder para o "povo eleito". Os discípulos originários do judaísmo, com sua visão messiânico-escatológica ainda não compreendiam as palavras de Jesus. Jesus os adverte: "Vós, do mesmo modo... ficai sabendo...". Na parábola as árvores que brotam indicam a proximidade do verão que é tempo de frutos e colheita. Jesus refere-se à chegada do Reino de Deus.
A encarnação é a nova criação e a salvação, que acontece hoje. É o Reino entre nós. "Nasceu-vos hoje um Salvador... hoje se cumpriu esta escritura que estais ouvindo... é preciso que eu permaneça em tua casa hoje... hoje a salvação chegou a esta casa... hoje mesmo estarás comigo no Paraíso". A tensão que se estabelece é a tensão da esperança. A esperança é o desejo ardente de realizar, hoje, a vontade de Deus. O Reino de Deus já está acontecendo. É a sedução do bem, da vida, da comunhão com Deus, da solidariedade, da fraternidade, da partilha, da alegria. E as palavras de Jesus são anunciadas como convite à participar do banquete da Vida.

Oração
Pai, reforça a sinceridade de minha fé nas palavras de teu Filho Jesus, pois nele o teu Reino se faz presente na nossa história, realizando, assim, tua promessa de salvação.

Leitura
Ap 20,1-4.11-21,2

Salmo
Salmo 84(83)
Feliz quem encontra em ti sua força!


Diocese celebra Dia Mundial de Luta contra a Aids


Mitra Diocesana

Diocese de São José dos Campos

Assessoria de Imprensa



Diocese celebra Dia Mundial de Luta contra a Aids

No dia 1º de Dezembro celebra-se o Dia Mundial de Luta Contra Aids. Este dia é celebrado por uma decisão da Assembléia da Organização Mundial de Saúde, realizada em outubro de 1987, com apoio da ONU. No Brasil, a data passou a ser adotada, a partir de 1988, por uma portaria assinada pelo Ministro da Saúde. Na Diocese de São José dos Campos, a Associação Nossa Casa de Acolhida é responsável pela organização dos eventos no Dia Mundial de Luta contra a Aids.
A data serve para reforçar a solidariedade, a tolerância, a compaixão e a compreensão com as pessoas infectadas pelo HIV/Aids. É marcada também por atividades de luta pelo acesso universal do tratamento, por campanhas de conscientização e informação.
Para lembrar a luta contra a Aids, a Casa de Acolhida preparou um vídeo institucional de 30 segundos, que está sendo transmitido na TV Vanguarda e na TV Band Vale. No dia, 1º de dezembro, o Padre Raimundo Nonato Vianna Sobrinho, presidente da Associação, celebra uma missa na igreja Matriz São José, no Centro da cidade, ao meio dia. Para este dia, está planejado “vestir” a fachada da igreja Matriz com um grande laço vermelho, símbolo da luta contra a Aids. As paróquias também receberam o vídeo acrescido de uma mensagem do bispo diocesano, Dom Moacir Silva, que será passado neste final de semana antes das missas. “Nosso desafio é tornar o trabalho mais visível dentro e fora da Igreja, aliado à conscientização sobre o problema,” enfatizou Alex Prado, coordenador de projetos da entidade.


- Sobre a Casa:

A Associação Nossa Casa de Acolhida surgiu em setembro de 1994 para resgatar a dignidade dos portadores e portadoras da doença, a partir de uma iniciativa da Pastoral da Saúde, da Diocese de São José dos Campos. A entidade atende 100 famílias e aproximadamente 550 pessoas entre crianças, adolescentes, adultos e idosos. Dados fornecidos pelo programa municipal de nossa cidade contabilizaram até setembro deste ano, 2.931 casos de pessoas portadoras. Dentro da casa, os assistidos participam de oficinas de artesanato para o aprendizado e geração de renda, além de contarem com o apoio psicológico e jurídico. A entidade é dirigida pelo presidente, Pe. Raimundo Nonato Viana Sobrinho, além de contar com o auxílio de funcionários, voluntários e a doação do trabalho de pessoas físicas e jurídicas. Fica na Av. Rui Barbosa, 124 – Centro, São José dos Campos.

Contatos com Alex Prado:

Tel: (12) 3204-8435

Fax: (12) 3204-6836

E-mail: alexprado@casadeacolhida.org.br

Ana Lúcia Zombardi

Assessoria de Imprensa

Mitra Diocesana de SJCampos

12 3928-3929

Maria a primeira Missionária

Salve, ó mãe de Jesus! A Ti nosso canto e nosso louvor ...

Mãe do Redentor, – rogai!
Mãe do Salvador, – rogai!
Do Libertador, – rogai por nós.
Mãe dos oprimidos, – rogai!
Mãe dos perseguidos, – rogai!
Dos desvalidos, – rogai por nós!
2. Mãe do bóia fria, – rogai!
Causa da alegria, – rogai!
Mãe das mães, Maria, rogai por nós!
Mãe dos humilhados, – rogai!
Dos martirizados, – rogai!
Marginalizados, – rogai por nós!
3. Mãe dos despejados, – rogai!
Dos abandonados, – rogai!
Dos desempregados, – rogai por nós!
Mãe dos pescadores, – rogai!
Dos agricultores, – rogai
Santos e doutores, – rogai por nós!
4. Mãe do céu clemente, – rogai!
Mãe dos doentes, – rogai!
Do menor carente, – rogai por nós!
Mãe dos operários, – rogai!
Dos presidiários, – rogai!
Dos sem salários, – rogai por nós

Fonte: Arquidiocese de Florianópolis

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

LEITURA ORANTE DA PALAVRA DE DEUS






A Leitura Orante é uma das formas de espiritualidade
bíblica. Consiste num momento em que se
reflete e se reza um texto bíblico.
Como fazer a Leitura Orante:
Algumas dicas poderão ajudar-nos na vivência de uma autêntica
espiritualidade bíblica.


1. Escolher o texto.
2. Rezar ou cantar, pedindo a luz do Espírito Santo.
3. Ler e reler o texto.
4. Contar o texto.
5. Analisar o texto e situá-lo em seu contexto
de origem. Como Deus se revelou ao povo:
personagens, lugar, quando e como Deus
aparece no texto.




(Não se pode trazer o texto para o hoje.)
6. O sentido do texto para nós: ligar a
Bíblia e a vida. Atualizar o texto para
hoje.









(Em silêncio, abrir-se ao Espírito Santo e deixar que Ele nos fale.)
O que Deus pede de nós.
7. Rezar o texto: O que o texto nos leva a dizer para
Deus.
8. Contemplar e comprometer-se: é olhar a realidade
com os olhos de Deus. Senti-la
com o coração de Deus e assumir um
compromisso diante da nossa re-
alidade.




Evangelho do dia/ fonte Paulinas

Ano A - Dia: 27/11/2008



A vinda do Filho do Homem

Lc 21,20-28

Jesus disse ainda:
- Quando vocês virem a cidade de Jerusalém cercada por exércitos, fiquem sabendo que logo ela será destruída. Então, os que estiverem na região da Judéia, que fujam para os montes. Quem estiver na cidade, que saia logo. E quem estiver no campo, que não entre na cidade. Porque aqueles dias serão os "Dias do Castigo", e neles acontecerá tudo o que as Escrituras Sagradas dizem. Ai das mulheres grávidas e das mães que ainda estiverem amamentando naqueles dias! Porque virá sobre a terra uma grande aflição, e cairá sobre esta gente um terrível castigo de Deus. Muitos serão mortos à espada, e outros serão levados como prisioneiros para todos os países do mundo. E os não-judeus conquistarão Jerusalém, até que termine o tempo de eles fazerem isso.
E Jesus continuou:
- Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. E, na terra, todas as nações ficarão desesperadas, com medo do terrível barulho do mar e das ondas. Em todo o mundo muitas pessoas desmaiarão de terror ao pensarem no que vai acontecer, pois os poderes do espaço serão abalados. Então o Filho do Homem aparecerá descendo numa nuvem, com poder e grande glória. Quando essas coisas começarem a acontecer, fiquem firmes e de cabeça erguida, pois logo vocês serão salvos.Comentário do Evangelho

Jesus fala da destruição de Jerusalém

Após a destruição do Templo, é anunciada a destruição de Jerusalém. Esta cidade já havia sido destruída pela Babilônia, o que foi interpretado como castigo por terem pecado contra Deus. Por outro lado, Ciro da Pérsia, cruel conquistador, foi considerado um messias, escolhido por Deus, por ter feito um acordo para a volta das elites exiladas para reconstruírem Jerusalém. Agora Jerusalém está prestes a ser destruída de novo. Toda esta violência que é fruto da ambição e do conflito de poderes ainda é considerada como sendo a vontade de Deus. Jesus ofereceu a Paz a Jerusalém e ao mundo. Aqueles que a rejeitam caminham para a autodestruição. Os discípulos de Jesus, libertados desta espiral de violência, de cabeça erguida continuam sua missão de anunciar e construir a Paz

Oração
Pai, faze-se adequar meu existir à novidade que me é oferecida por Jesus, como dom teu à humanidade, de modo que eu possa usufruir dos benefícios de tua salvação.

Leitura
Ap 18,1-2.21-23;19,1-3.9a

Salmo
Salmo 100(99)
Ide ao Senhor gritando de alegria.

Comunicação e missão

por Jaime Carlos Patias última modificação

Comunicação e missão são temas interconectados, e por vezes, interdependentes. A missão da Igreja é evangelizar.

Comunicação e missão são temas interconectados, e por vezes, interdependentes. A missão da Igreja é evangelizar. Lendo o Documento de Aparecida (2007) sob a ótica da comunicação, onde vemos as palavras missão, comunhão, evangelização, testemunho ou discipulado, entendemos a ação de comunicar a Cristo e sua mensagem. De fato, quando evangelizamos estamos comunicando e quando comunicamos estamos evangelizando.

O discípulo missionário tem a tarefa de escutar, comunicar, compreender e sobretudo, participar na ação evangilizadora-comunicacional da Igreja, a serviço da vida. Quando um agente de pastoral ou um ministro ordenado já não pode comunicar Jesus Cristo, seu ministério não tem mais razão de ser, assim, se um batizado não puder comunicar Cristo, seu ser cristão não teria razão de ser.

Como forma de demonstrar a estreita relação entre comunicação e missão poderíamos traçar um paralelo histórico entre os principais documentos da Igreja sobre essas duas dimensões.

Mesmo havendo documentos anteriores, o primeiro grande momento aconteceu no Concílio Vaticano II com os decretos Inter Mirifica e Ad Gentes que, lidos no seu conjunto articulam uma unidade entre comunicação e missão. O Inter Mirifica assegura, pela primeira vez em um documento oficial, a obrigação e o direito de usar os instrumentos de comunicação social. O Ad Gentes por sua vez, considera os meios de comunicação social indispensáveis na Evangelização (cf. AG 36).

O segundo momento se dá na década de 70 do século passado, durante o pontificado de Paulo VI com a publicação da Instrução Pastoral Communio et Progressio (1971) considerando a comunhão e o progresso da convivência humana fins primordiais da comunicação social e dos meios que emprega.

A encíclica Evangelii Nuntiandi (1975) dá novo impulso à missão e considera que, o primeiro anúncio, a catequese ou o aprofundamento ulterior da fé, não podem deixar de se servir dos meios de comunicação. “Postos a serviço do Evangelho, tais meios são suscetíveis de ampliar, quase até ao infinito, o campo para poder ser ouvida a Palavra de Deus e fazem com que a Boa Nova chegue a milhões de pessoas...” (EN 45).

O terceiro momento viria na década de 90 com o papa João Paulo II.
A encíclica Redemptoris Missio (1990), sobre o mandato missionário considera o mundo das comunicações como “o primeiro areópago dos tempos modernos...” (RM 37c). E em 1992, o Pontifício Conselho Para as Comunicações lança a Instrução Pastoral Aetatis Novae que além de destacar os meios a serviço da cultura e da evangelização, apresenta desafios e propõe planos de Pastoral da Comunicação. Com isso, percebemos que comunicação e missão têm tudo a ver.

Quando as publicações ligadas à Igreja destacam matérias sobre CEBs, direitos humanos, cidadania, fé e política, justiça e paz e integridade da criação, fóruns e movimentos sociais, estão em plena sintonia com o espírito missionário da Igreja que anuncia Jesus Cristo: Vida para todos os povos. Reféns do capital e do lucro, muitos meios são utilizados para comunicar no sentido de persuadir, fragmentar, manipular e dominar.

Movidos pelos valores do Evangelho, como missionários e comunicadores, acreditamos na verdadeira comunicação que tem o poder de informar, formar, encorajar, libertar e fomentar ações de transformações.

Jaime Carlos Patias, imc, mestre em comunicação e diretor da revista Missões. Membro do Grupo de Estudos “Comunicação na Sociedade do Espetáculo”.

Fonte: http://www.cebs-sul1.com.br/v01

Colegiada Estadual das CEBs se reuniu em Ilha Comprida

Colegiada Estadual das CEBs se reuniu em Ilha Comprida


A última reunião da coordenação colegiada estadual, se fêz num ambiente de confraternização.

Reunião da colegiada estadual das CEBs-Sul

Nos dias 22 e 23 de novembro, a coordenação colegiada das CEBs do estado de São Paulo, se reuniu em Ilha Comprida, município situado entre reservas florestais e de preservação ambiental. Reunindo representantes das CEBs das sub-regiões de: Aparecida; Botucatu; Campinas; Ribeirão Preto 1; Ribeirão Preto 2; Sorocaba; São Paulo 1 e São Paulo 2, foi dicutido e encaminhado temas como a manutenção da página das CEBs de SP, as finanças da colegiada, o encontro de delegados em Itatiba e dos assessores das CEBs em Santo André.

Após um dia inteiro de encaminhamentos encerrou-se com a celebração eucarística com a participação da Comunidade Nossa Senhora Aparecida e os membros da colegiada estadual.
No domingo a equipes das sub-regiões se despediram com a confraternização pela manhã, seguindo em seguida para suas dioceses.

Ilha Comprida pertence a sub-região de Sorocaba.

Fonte: http://www.cebs-sul1.com.br/v01

O Advento, tempo de crer e esperar

Quarte-feira, 26 de Novembro de 2008


Advento, do Latim, ad-venio, chegar.

Conforme o uso atual [1910], o Advento é um tempo litúrgico que começa no Domingo mais próximo à festa de Santo André Apóstolo (30 de Novembro) e abarca quatro Domingos. O primeiro Domingo pode ser adiantado até 27 de Novembro, e então o Advento tem vinte e oito dias, ou atrasar-se até o dia 3 de Dezembro, tendo somente vinte e um dias.

Com o Advento começa o ano eclesiástico nas Igrejas ocidentais. Durante este tempo, os fiéis são exortados a se prepararam dignamente para celebrar o aniversário da vinda do Senhor ao mundo como a encarnação do Deus de amor, de maneira que suas almas sejam moradas adequadas ao Redentor que vem através da Sagrada Comunhão e da graça, e em conseqüência estejam preparadas para sua vinda final como juiz, na morte e no fim do mundo.

Simbolismo

A Igreja prepara a Liturgia neste tempo para alcançar este fim. Na oração oficial, o Breviário, no Invitatório das Matinas, chama a seus ministros a adorar "ao Rei que vem, ao Senhor que se aproxima", "ao Senhor que está próximo", "ao que amanhã contemplareis sua glória". Como Primeira Leitura do Ofício de Leitura introduz capítulos do profeta Isaías, que falam em termos depreciativos da gratidão da casa de Israel, o filho escolhido que abandonou e esqueceu seu Pai; que anunciam o Varão de Dores ferido pelos pecados de seu povo; que descrevem fielmente a paixão e morte do Redentor que vem e sua glória final; que anunciam a congregação dos Gentis em torno ao Monte Santo. As Segundas Leituras do Ofício de Leitura em três Domingos são tomadas da oitava homilia do Papa São Leão (440-461) sobre o jejum e a esmola, como preparação para a vinda do Senhor, e em um dos Domingos (o segundo) do comentário de São Jerônimo sobre Isaías 11,1, cujo texto ele interpreta referido a Santa Maria Virgem como "a renovação do tronco de Jessé". Nos hinos do tempo encontramos louvores à vinda de Cristo como Redentor, o Criador do universo, combinados com súplicas ao juiz do mundo que vem para proteger-nos do inimigo. Similares idéias são expressadas nos últimos sete dias anteriores à Vigília de Natal nas antífonas do Magnificat. Nelas, a Igreja pede à Sabedoria Divina que nos mostre o caminho da salvação; à Chave de Davi que nos livre do cativeiro; ao Sol que nasce do alto que venha a iluminar nossas trevas e sombras de morte etc. Nas Missas é mostrada a intenção da Igreja na escolha das Epístolas e Evangelhos. Nas Epístolas é exortado ao fiel que, dada a proximidade do Redentor, deixe as atividades das trevas e se vista com as armas da luz; que se conduza como em pleno dia, com dignidade, e vestido do Senhor Jesus Cristo; mostra como as nações são chamadas a louvar o nome do Senhor; convida a estar alegres na proximidade do Senhor, de maneira que a paz de Deus, que ultrapassa todo juízo, custodie os corações e pensamentos em Cristo Jesus; exorte a não julgar, a deixar que venha o Senhor, que manifestará os segredos escondidos nos corações. Nos Evangelhos, a Igreja fala do Senhor, que vem em sua glória; dAquele no qual e através do qual as profecias são cumpridas; do Guia Eterno em meio aos Judeus; da voz no deserto, "Preparai o caminho do Senhor". A Igreja em sua Liturgia nos devolve no espírito ao tempo anterior à encarnação do Filho de Deus, como se ainda não tivesse ocorrido. O Cardeal Wiseman disse:

Estamos não somente exortados a tirar proveito do bendito acontecimento, como também a suspirar diariamente como nossos antigos pais, "Gotejai, ó céus, lá do alto, derramem as nuvens a justiça, abra-se a terra e brote a salvação". As Coletas nos três dos quatro Domingos deste tempo começam com as palavras, "Senhor, mostra teu poder e vem" - como se o temor a nossas iniqüidades previsse seu nascimento.

Duração e Ritual

Todos os dias de Advento devem ser celebrados no Ofício e Missa do Domingo ou Festa correspondente, ou ao menos deve ser feita uma Comemoração dos mesmos, independentemente do grau da festa celebrada. No Ofício Divino o Te Deum, jubiloso hino de louvor e ação de graças, se omite; na Missa o Glória in excelsis não se diz. O Alleluia, entretanto, se mantém. Durante este tempo não pode ser feita a solenização do matrimonio (Missa e Bênção Nupcial); incluindo na proibição a festa da Epifania. O celebrante e os ministros consagrados usam vestes violeta. O diácono e subdiácono na Missa, no lugar das túnicas usadas normalmente, levam casulas com pregas. O subdiácono a tira durante a leitura da Epístola, e o diácono a muda por outra, ou por uma estola mais larga, posta sobre o ombro esquerdo entre o canto do Evangelho e a Comunhão. Faz-se uma exceção no terceiro Domingo (Domingo Gaudete), no qual as vestes podem ser rosa, ou de um violeta enriquecido; os ministros consagrados podem neste Domingo vestir túnicas, que também podem ser usadas na Vigília do Natal, ainda que fosse no quarto Domingo de Advento. O Papa Inocêncio III (1198-1216) estabeleceu o negro como a cor a ser usada durante o Advento, mas o violeta já estava em uso ao final do século treze. Binterim diz que havia também uma lei pela qual as pinturas deviam ser cobertas durante o Advento. As flores e as relíquias de Santos não deviam ser colocadas sobre os altares durante o Ofício e as Missas deste tempo, exceto no terceiro Domingo; e a mesma proibição e exceção existia relacionada com o uso do órgão. A idéia popular de que as quatro semanas de Advento simbolizam os quatro mil anos de trevas nas quais o mundo estava envolvido antes da vinda de Cristo não encontra confirmação na Liturgia.

Origem Histórica

Não pode ser determinada com exatidão quando foi pela primeira vez introduzida na Igreja a celebração do Advento. A preparação para a festa de Natal não deve ser anterior à existência da própria festa, e desta não encontramos evidência antes do final do século quarto quando, de acordo com Duchesne [Christian Worship (London, 1904), 260], era celebrada em toda a Igreja, por alguns no dia 25 de Dezembro, por outros em 6 de Janeiro. De tal preparação lemos nas Atas de um sínodo de Zaragoza em 380, cujo quarto cânon prescreve que desde dezessete de Dezembro até a festa da Epifania ninguém devesse permitir a ausência da igreja. Temos duas homilias de São Máximo, Bispo de Turim (415-466), intituladas "In Adventu Domini", mas não fazem referência a nenhum tempo especial. O título pode ser a adição de um copista. Existem algumas homilias, provavelmente a maior parte de São Cesáreo, Bispo de Arles (502-542), nas quais encontramos menção de uma preparação antes do Natal; todavia, a julgar pelo contexto, não parece que exista nenhuma lei geral sobre a matéria. Um sínodo desenvolvido (581) em Macon, na Gália, em seu nono cânon, ordena que desde o dia onze de Novembro até o Natal o Sacrifício seja oferecido de acordo ao rito Quaresmal nas Segundas, Quartas e Sextas-feiras da semana. O Sacramentário Gelasiano anota cinco domingos para o tempo; estes cinco eram reduzidos a quatro pelo Papa São Gregório VII (1073-85). A coleção de homilias de São Gregório o Grande (590-604) começa com um sermão para o segundo Domingo de Advento. No ano 650, o Advento era celebrado na Espanha com cinco Domingos. Vários sínodos fizeram cânones sobre os jejuns a observar durante este tempo, alguns começavam no dia onze de Novembro, outros no quinze, e outros com o equinócio de outono. Outros sínodos proibiam a celebração do matrimônio. Na Igreja Grega não encontramos documentos sobre a observância do Advento até o século oitavo. São Teodoro o Estudita (m. 826), que falou das festas e jejuns celebrados comumente pelos Gregos, não faz menção deste tempo. No século oitavo encontramos que, desde o dia 15 de Novembro até o Natal, é observado não como uma celebração litúrgica, mas como um tempo de jejum e abstinência que, de acordo com Goar, foi posteriormente reduzido a sete dias. Mas um concílio dos Rutenianos (1720) ordenava o jejum de acordo com a velha regra desde o quinze de Novembro. Esta é a regra ao menos para alguns dos Gregos. De maneira similar, os ritos Ambrosiano e Moçárabe não têm liturgia especial para o Advento, mas somente o jejum.

Fonte: Arquidiocese de Florianópolis