sábado, 21 de março de 2009

Evangelho do dia/ Fonte Paulinas

Ano B - Dia: 21/03/2009



Parábola do fariseu e do cobrador de impostos

Lc 18,9-14

Jesus também contou esta parábola para os que achavam que eram muito bons e desprezavam os outros:
- Dois homens foram ao Templo para orar. Um era fariseu, e o outro, cobrador de impostos. O fariseu ficou de pé e orou sozinho, assim: "Ó Deus, eu te agradeço porque não sou avarento, nem desonesto, nem imoral como as outras pessoas. Agradeço-te também porque não sou como este cobrador de impostos. Jejuo duas vezes por semana e te dou a décima parte de tudo o que ganho."
- Mas o cobrador de impostos ficou de longe e nem levantava o rosto para o céu. Batia no peito e dizia: "Ó Deus, tem pena de mim, pois sou pecador!"
E Jesus terminou, dizendo:
- Eu afirmo a vocês que foi este homem, e não o outro, que voltou para casa em paz com Deus. Porque quem se engrandece será humilhado, e quem se humilha será engrandecido.


LEITURA ORANTE


Preparo-me para a Leitura Orante, rezando, com o Bem-aventurado Alberione:


A ti, Espírito vivificador,


consagro o meu coração:


aumenta em mim a vida divina e


inunda-me com o teu amor .



1. Leitura (Verdade)


- O que a Palavra diz?


Leio com atenção e lentamente o texto do dia:


Lc 18,9-14.


Jesus conta uma parábola aos que se consideravam melhores que os demais: a história do publicano e do fariseu. Nestas duas pessoas Jesus apresenta as atitudes diferentes das pessoas em oração: o fariseu orou em pé e considerou-se melhor que o publicano, falou de seu jejum e do dízimo. Achava que era o máximo. O cobrador de impostos ficou distante e nem levantava os olhos. Pedia perdão a Deus dizendo-se pecador. Jesus diz que o publicano voltou para casa em paz. Quem se humilha será exaltado e quem se exalta será humilhado.



2. Meditação(Caminho)


- O que a Palavra diz para mim?


A parábola de Jesus nos lembra outra que vale a pena recordar.



Oi, Jesus!



José era um homem que vivia nas ruas.


Todos os dias, ele entrava na igreja, ficava uns dois minutos e saía.


O Padre, estranhando a sua atitude, foi, um dia, até ele e perguntou-lhe:


- José, por que você entra na igreja, fica apenas alguns minutos e sai?


José respondeu:


- Ah! Padre! É que eu não sei fazer aquelas orações difíceis, então, chego aqui, digo: "Oi Jesus! Aqui é o Zé!" e vou-me embora.


Passado algum tempo, o Padre estranhou,


pois o Zé não tinha mais aparecido na igreja.


Mandando verificar o ocorrido, o Padre descobriu que o Zé havia sido atropelado, sem gravidade, mas necessitava permanecer no hospital.


O Zé conseguiu levar a alegria e o amor às outras pessoas. Os médicos e enfermeiros espantaram-se com a mudança,


até que uma enfermeira chegou até o Zé e perguntou:


- Zé, você está sempre sorrindo, alegre e contagiou os outros pacientes...


Como me explica o que acontece com você?


- Ah! Eu fico assim pela visita que recebo todos os dias.


A enfermeira espantou-se, pois a cadeira ao lado do leito do Zé sempre estava vazia, e perguntou:


- Mas, Zé, quem vem te visitar?


Pois a sua cadeira está sempre vazia.


Quem te visita?


- Ah, ele chega senta e diz: "Oi, Zé, aqui é JESUS


(Autor desconhecido)



3. Oração (Vida)


- O que a Palavra me leva a dizer a Deus?


Tente, agora, verificar como é a sua oração? Como a do Zé? A do fariseu? Ou a do publicano?



4. Contemplação(Vida/ Missão)


- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?


A oração não depende de tempo, nem de palavras, como bem entendeu o Zé. Hoje, vou também deixar um lugar vazio a meu lado, ou dentro do meu coração, para Jesus.


Nenhum comentário: