sexta-feira, 20 de março de 2009

A virtudes de São José


SÃO JOSÉ

a) No dia 19 de Março, a Igreja celebra a solenidade de São José, Esposo da Virgem Santa Maria. São José é um santo amado como poucos na Igreja. Uma festa que se celebra com toda a solenidade, correspondendo tanto ao grau litúrgico como à grande devoção popular. Em tempo quaresmal, o dia de São José “interrompe” a austeridade litúrgica: cor branca, flores nos altares, o canto do Glória… São José é também um modelo e um auxílio para o nosso itinerário quaresmal. Aquilo que celebramos neste dia, é-nos dito, claramente, no prefácio próprio da missa: “Homem justo, foi por Vós escolhido para Esposo da Mãe de Deus; servo fiel e prudente, foi constituído chefe da vossa família, para guardar com paterna solicitude o vosso Filho Unigénito, concebido pelo poder do Espírito Santo, Jesus Cristo, nosso Senhor”. Em primeiro lugar, São José é um instrumento precioso para que as promessas de Deus se cumpram, como nos diz a Oração Colecta: “na aurora dos novos tempos confiastes a São José a guarda dos mistérios da salvação dos homens”. Colocado entre o Antigo e o Novo Testamento, São José é a ponte entre as promessas de Deus e a concretização das mesmas. A primeira leitura recorda-nos as promessas que Deus fez pelo profeta ao rei David: “estabelecerei em teu lugar um descendente que nascerá de ti e consolidarei a tua realeza… A tua casa e o teu reino permanecerão diante de Mim eternamente e o teu trono será firme para sempre”. Respondendo à primeira leitura, o salmo é um canto de louvor a Deus, porque guarda o seu povo e cumpre as suas promessas: “concluí uma aliança com o meu eleito, fiz um juramento a David meu servo: conservarei a tua descendência para sempre, estabelecerei o teu trono por todas as gerações”. José, o esposo de Maria, é este descendente de David pelo qual se cumprirão as promessas de Deus e também liga Jesus à descendência de David.

b) São José foi um homem justo, fiel e prudente. É importante que as virtudes de São José sejam realçadas, tanto ao nível humano como ao nível da fé. Ao nível humano, José foi um homem bom. O evangelho diz-nos que José, esposo de Maria, “antes de terem vivido em comum, encontrara a sua mulher grávida, por virtude do Espírito Santo. Mas José, seu esposo, que era justo e não queria difamá-la, resolveu repudiá-la em segredo”. Prudência, discrição e carinho para com a sua esposa; o mesmo amor que dedicou a Jesus como nos diz a oração sobre as oblatas: “um coração puro com que São José serviu o vosso Filho Unigénito, nascido da Virgem Maria”. José é um homem justo como nos diz o evangelho, é um homem justo, fiel e prudente, como no diz o prefácio. Bom esposo, bom pai, sempre cuidando de Maria, trabalhando arduamente para sustento da família e para educar o menino. São José era uma boa pessoa, não só um modelo de valores humanos, mas também ao nível da fé. No evangelho, José é um homem aberto à Palavra de Deus. Acolhe a mensagem divina que recebe em sonhos e através de um anjo, segundo o género literário da Escritura. Ao acolher a palavra divina, as dúvidas desvanecem-se e, consciente da missão que Deus lhe confiou, cumpriu o que o anjo lhe mandara. Por esta disponibilidade de José, também a salvação de Deus chegou a todos os confins da terra. Na segunda leitura, S. Paulo apresenta-nos outro homem de fé: Abraão. De certo modo, Abraão é uma figura (imagem) de São José: “esperando contra toda a esperança, Abraão acreditou, tornando-se pai de muitos povos, como lhe tinha sido dito… por este motivo é que isto lhe foi atribuído como justiça”.

c) Além destas virtudes, ainda há a salientar uma outra virtude em S. José: a humildade. Fez tudo na sua vida com humildade, no anonimato, com muita discrição. Sabemos muito pouco da sua vida, é uma personagem que aparece pouco nos evangelhos. Mas, a sua importância na obra da salvação é imensa. Neste tempo de Quaresma, somos convidados a renovar a nossa fidelidade a Deus, mas também a renovar a nossa fé discretamente e a vivê-la na Igreja e no mundo com humildade. Hoje, é um tempo onde faltam grandes manifestações de fé como foram aqueles em que São José foi motivo de actos e devoções solenes. São José convida-nos a viver a nossa fé na fidelidade e no compromisso de cada dia. Como ele, também teremos as nossas dúvidas e receios. Mas sempre com uma grande confiança e disponibilidade ao Senhor, conscientes de que Deus nos confiou a missão de levar a salvação a todos, através do nosso discreto e humilde testemunho.


Nenhum comentário: