terça-feira, 15 de dezembro de 2009

TRAGÉDIA - Freiras morrem em acidente na 174



  • Amélia Dias e Ana Elinda Gonzáles (detalhe) vinham de Mucajaí para Boa Vista quando colidiram com um Palio

    | 1| | 2| | 3| | 4| >>

    Fábio Cavalcante - fabiocavalcantebv@yahoo.com.br
    O que seria um dia de confraternização se tornou um dia trágico para a comunidade católica roraimense. Duas freiras, que vinham de Mucajaí para Boa Vista morreram em um grave acidente de trânsito ocorrido na manhã de ontem, no quilômetro 43 da BR-174.
    As colombianas Amélia Gil Dias e Ana Elinda Gonzáles vinham para Boa Vista, em um Fiat Uno placa NAK-0298, para uma confraternização realizada pela Casa Regional das Irmãs Missionárias da Consolata.
    Subitamente, no sentido oposto vinha um Palio placa JWY-9103, conduzido por Ozandolu da Silva. Ambos os veículos colidiram e Ana Elinda, que estava no banco de passageiro, foi arremessada para a pista, morrendo na hora.
    Amélia, que conduzia o veículo ainda chegou a ser resgatada com vida, porém não resistiu e morreu no caminho para o Pronto-Socorro Francisco Elesbão. Ozandolu, condutor do Palio, também ficou bastante ferido e levado pelas equipes de resgate. Ele está sob observação médica e logo que se recuperar ele será encaminhado ao 1º Distrito Policial, onde serão feitos os procedimentos. Ozandolu poderá ser indiciado por homicídio culposo. 
    Os peritos da Polícia Civil estiveram no local para colher todas as informações necessárias. Sem entrar em detalhes, a equipe constatou que o acidente foi causado por falta de atenção e excesso de velocidade. Porém, o laudo conclusivo só será divulgado em dez dias.

    TRABALHO MISSIONÁRIO
    Irmãs atuavam no interior do Estado

    Foto: Edinaldo Morais
    Legenda: Ir. Eliza Pandiane: “Amélia e Elinda só buscavam fazer o bem às pessoas”
    Código Foto: 23-06-eliza pandiane foto edinaldo morais_0748

    A freira Amélia Gil Dias tinha 66 anos e chegou a Roraima em 15 de junho de 1982, vindo de Bogotá, capital da Colômbia. Ficou um ano e meio lotada na Casa Regional das Irmãs Missionárias da Consolata e logo foi enviada para trabalhar na Comunidade do bairro Liberdade.
    Em 31 de outubro de 1992, a freira foi transferida para Manaus, para atuar na Comunidade Morro da Liberdade. Neste mesmo período, ela atuou nas pastorais da Saúde e da Misericórdia. Em 17 de março de 2004, Irmã Amélia retornou a Roraima, para trabalhar na Comunidade de Mucajaí, missão que desempenhava até o dia da tragédia.
    Irmã Ana Elinda Gonzáles Lara completaria 45 anos no próximo dia 27. Natural de Cundinamarca (Colômbia), a freira chegou a Roraima em 16 de julho de 2003. Um ano depois foi transferida para Mucajaí, onde atuou nas pastorais da Criança, da Juventude e do Idoso.
    “Ambas as irmãs faziam um belo trabalho missionário nas vicinais, evangelizando e prestando assistência às comunidades”, afirmou a administradora da Casa Regional, ir.: Eliza Pandiane. “Elas só buscavam fazer o bem às pessoas. A morte delas foi uma irreparável à comunidade”.
    Os corpos das freiras serão velados na Paróquia de Mucajaí e logo trazidos novamente à capital, para o sepultamento. A Casa Regional das Irmãs Missionárias da Consolata ainda vai decidir se o corpo de Ana Elinda será trasladado para a Colômbia, onde mora a família.  

    Fonte: .Roraima hoje


Um comentário:

VICTOR HUGO disse...

Hola Brasil, Amelia esta en manos de Dios, Ella era la tía de mi mamá Carmen Gil despertar en Bogotá, Colombia, la noticia nos afligen muchisimo, Amelia Fue un ser de Dios y la caridad muy noble, la hemos Llorado lamento mucho su muerte y, que gracias a Dios haberla traicionado por el mundo y por ese Haberle Dado el don de la solidaridad. Amelia está preocupado siempre por el prójimo, la amamos mucho, la extrañaremos bastante .... Fue un formidable Una mujer extraordinaria. Gracias Dios mio ..... Atte Victor Hugo despertar romano, roman@colombia.com