sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Muticom: Movimentos sociais nasceram dos murmúrios dos caipiras


04/02/2010 | Cecília de Paiva *
O sociólogo Pedro Ribeiro de Oliveira, da PUCMG, percorreu a história da desestruturação ocorrida durante a formação dos povos latinos para então discorrer sobre os "Novos cenários políticos e sociais e processos de comunicação", tema da manhã do dia 4 de fevereiro, no Mutirão de Comunicação - Muticom, em Porto Alegre. A conferência ocorreu no plenário do Centro de Eventos do prédio 41 da PUCRS, sob a coordenação de Anamaría Rodríguez, da Colômbia.
Jaime C. Patias Pedro Ribeiro de Oliveira durante Conferência Pedro Ribeiro, membro da Coordenação do Movimento Fé e Política, iniciou sua fala a partir da palavra "caipira", que significa estar envergonhado. Segundo ele, é assim que chamamos o povo da roça, que nada mais é que o índio e o africano destribalizados, envergonhados pela perda da honra e da dignidade. Trata-se de alguém que perdeu sua tribo e assim, "o caipira entrou na sociedade envergonhado. Veio conviver com os seus colonizadores que, com a força militar, construíram um novo sistema em nome de uma civilização superior. Subjugaram povos com suas armas e os remanescentes das sociedades tribais formaram as periferias, girando em torno das hegemonias, do poderio central", disse o sociólogo.
Os subjugados, apesar das situações de repressão ao longo da história, não pararam de murmurar, de contar e cantar seus causos repassando suas memórias de geração em geração. Para o sociólogo, essa comunicação se tornou a cultura popular, chave dos movimentos sociais. Houve tentativas de sufocar e desqualificar, usando os meios de comunicação para abafar, mas "a cultura popular encontrou alguns nichos, uma série de espaços marginais que se tornaram centros aglutinadores da cultura popular resguardando e recuperando a memória de povos e culturas", completou Pedro.
Dessa forma, surgiram novos atores em meio aos sistemas hegemônicos, com movimentos sociais buscando a formação das consciências e não a conquista do poder. Veio o Fórum Social Mundial e ecoou o anúncio de que um outro mundo é possível. De acordo com o conferencista, ainda não se sabe que mundo é esse que se quer, mas já se sabe não ser possível retornar a um sistema construtivista que destrói o mundo.
O discurso sobre um sistema que promete atender a todos os desejos já não é mais credível, sendo uma utopia muito maior do que a utopia de se criar um sistema solidário. Nesse sentido, Pedro disse acreditar na capacidade transformadora dos movimentos sociais, pois são representantes da voz silenciada que aprendeu a murmurar e a dizer uma mensagem de esperança, considerando o Mutirão de Comunicação uma forma de ajudar a amplificar essa mensagem.

Após a conferência da manhã, foram anunciadas as abordagens e painéis do período da tarde, incluindo os seminários sobre "Políticas Públicas e Gestão da Comunicação no Estado", "Novos processos de comunicação nos diferentes atores sociais", "Meios públicos e direito à comunicação", e "Ética da comunicação na perspectiva de direitos", com apresentação dos respectivos coordenadores.
* Cecília de Paiva, jornalista, revista Missões no Muticom em Porto Alegre.
Fonte: Revista Missões

Nenhum comentário: