quarta-feira, 7 de julho de 2010

Conferencista destaca importância da espiritualidade para quem quer ser missionário

congressomissiopejoachimA espiritualidade do missionário foi o tema estudado hoje, 7, no Congresso Missionário de Seminaristas, que acontece, desde domingo, 4, em Brasília. O padre Joachim Andrade, indiano radicado no Brasil há 18 anos e provincial dos padres do Verbo Divino, no Paraná, fez a conferência sobre o tema.
Segundo o conferencista, é necessário dar mais destaque ao ser do que ao fazer do padre. “A nossa formação deve oferecer as possibilidades aos candidatos de terem uma experiência direta de Deus. O fazer do sacerdote é mais destacado ao longo da formação do que o ser do sacerdote”, disse.
Padre Joachim disse, ainda, que a espiritualidade de cada um é aprendida com os pais, na Igreja, na escola , mas que isso está desaparecendo na medida em que a pessoa vai se deslocando. “Isso deve ser recuperado”, defendeu.
congressomissionariopejoachimindEle chamou a atenção, também, para a necessidade de uma espiritualidade inculturada do missionário. “Ao nos aproximarmos de outro povo, outra cultura e outra religião, nosso primeiro dever é tirar os sapatos, pois o lugar do qual estamos nos aproximando é sagrado. Caso contrário, podemos nos descobrir pisando no sonho de outra pessoa. Mais sério ainda: podemos esquecer que Deus estava lá antes que chegássemos”.
De acordo com o padre Joachim, a espiritualidade deve ser movida pela capacidade da pessoa de ouvir, ver e ser fiel. “A fidelidade não está em recusar a mudança, mas em fazer todas as mudanças necessárias para trazer de volta os ideais a partir dos quais operamos. Fidelidade não é a estabilidade do lugar, mas do coração”, acentuou.
A conversão foi outro aspecto ressaltado pelo conferencista como necessário para uma espiritualidade missionária. “Na mudança do paradigma da missão, a conversão pessoal do formando ou do missionário deve ser valorizada ao longo da caminhada”.
congmissionarioparticipa2
Ele aponta quatro conversões fundamentais: do ativismo à contemplação; do individualismo à colaboração; da conquista ao diálogo e evangelizar e ser evangelizado. “Evangelizar e ser evangelizado apresenta um quadro em que o missionário deve ir para a missão com meia mala para que seja preenchida com os elementos de outra cultura. Ir para a missão com a mala chei” pode trazer riscos para a atividade missionária”, concluiu.

Fonte:CNBB


Reunião do CIMI debate projeto que cria rede de Rádios na Amazônia

Cimi1Está reunida em Luziânia (GO), de 7 a 10, a direção do Conselho Indigenista Missionário (CIMI) para refletir a questão indígena no Brasil e preparar o lançamento do relatório anual sobre as violências sofridas pelos povos indígenas no país, que será divulgado na próxima sexta-feira, 9, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília.
Aproveitando a reunião do Conselho, os padres franciscanos, Fernando Lopez e Guilhermo Cardona, e o técnico em comunicação, Hugo Ramírez, representando a entidade equatoriana criada para integrar e educar, via rádio, as comunidades amazônicas, Asociación Latinoamericana de Educación Radiofónica (ALER), apresentaram o projeto “Rádio Barco Amazônico”.
O projeto consiste na formação de uma rede de rádios, via satélite, com 40 rádios cadastradas nas fronteiras amazônicas (Equador, Colômbia, Venezuela, Brasil, Bolívia e Peru), para que os povos dessas regiões conheçam o que acontece em cada lado das fronteiras e  troquem informações, como questões climáticas e florestais, migração dos peixes, queimadas, entre outros.
Cimi3
“O que queremos é favorecer o processo de comunicação dos povos pan-amazônicos, aproveitando as plataformas multimídias (rádios, internet, TV’s), e viabilizando os discursos dos indígenas, ribeirinhos e periferias das cidades amazônicas, fazendo com que esses assuntos sejam debatidos, que entrem na reflexão pública e incidam na agenda do planeta”, afirmou Hugo Ramírez.
cimi22
O padre Fernando Lopez destaca a criação do projeto “Rádio Barco Amazônico”, fala da fragmentação social na Amazônia e da rede de rádios itinerantes.
“A fragmentação social na Amazônia é algo gigantesco, que deve ser sanado para que os povos amazônicos tenham voz. Seus questionamentos são muito importantes para o crescimento homogêneo do Brasil e dos outros países envolvidos. Assim, as equipes itinerantes ou móveis, que a princípio serão quatro, atuarão entre as fronteiras e as comunidades. Cada equipe será composta por um técnico em comunicação, via satélite, e um produtor. Chegando à comunidade, a equipe monta uma base, transmite o programa, ouve as comunidades, desmonta a base e segue para outra localidade”, explicou.
Para saber mais sobre o projeto “Rádio Barco Amazônico”, acesse www.aler.org ou clique aqui!

Lançamento

O lançamento do relatório que trata da violência contra os povos indígenas 2009 será na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), às 15h, com a presença do presidente e vice-presidente do Cimi, respectivamente, dom Erwin Krautler e Roberto Antônio Liebgott; da doutora em Antropologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Lúcia Helena Rangel , coordenadora da pesquisa, e representantes do conselho da entidade.
Fonte:CNBB

segunda-feira, 5 de julho de 2010

A música que liberta


Por Vânia Correia
A Teologia da Libertação animou a caminhada da Igreja Católica da América Latina a partir da década de 60. Diante do contexto de dominação social, cultural, política e econômica da América Latina por parte da Europa e dos EUA, a Igreja entendeu a necessidade de uma prática libertadora e de uma evangelização que levasse em conta a realidade do excluído, promovendo vida em plenitude. É a Teologia da Libertação que anima e ilumina, ainda hoje, a vida nas CEB’s (Comunidades Eclesiais de Base), nas pastorais da juventude e nas pastorais sociais.


Nesse contexto a música ocupa um lugar importante como manifestação de fé e clamor a Deus. Ela expressa o jeito de pensar, sentir e agir. Os cantos inspirados na Teologia da Libertação se distinguem dos que animam uma Igreja mais conservadora ou a dita “renovada”. São cantos que falam do pobre, do índio, do negro, e de todos aqueles que de algum modo estão postos à margem. Louva o Deus libertador, que toma partido do oprimido contra o opressor. Fala da fé encarnada na realidade, da luta da América Latina, ou como diz a canção “A fé do homem nordestino, que busca um destino, um pedaço de chão, a luta do povo oprimido que abre caminhos, transforma a nação”, (Ofertório do Povo /Zé Vicente).
As músicas da RCC (Renovação Carismática Católica), geralmente, conduzem a uma oração subjetiva, com forte apelo emocional, como na música do Pe. Marcelo Rossi, “Espírito, enche a minha vida, enche-me com teu poder, pois em ti eu quero ser...”. Ao contrário, as músicas mais progressistas expressam uma fé que transpõe as barreiras do individual. São orações que desafiam os fiéis para a construção de um projeto coletivo. Exaltam a união, a resistência popular e a solidariedade de Deus com os que sofrem. “No banquete da festa de uns poucos, só rico se sentou, nosso Deus fica ao lado dos pobres, colhendo o que sobrou” (Pão de Igualdade/Vaz Castilho).
Em muitos lugares as músicas que animam as celebrações nas CEBs causam estranhamento e críticas. Isso porque a Teologia da Libertação vem perdendo força e espaço para os movimentos pentecostais na Igreja Católica. As pessoas vão à Igreja para buscar alívio para as próprias angústias. E o que elas encontram é, justamente, um consolo individual, um sossego que acomoda e que não convoca para a construção de uma sociedade mais justa. No entanto, ainda existem muitos que, corajosamente, continuam a professar uma fé encarnada na realidade, que liberta e não aliena. E esses cantaram sempre ao “Pai-Nosso revolucionário, parceiro dos pobres, Deus dos oprimidos”. (Pai Nosso dos Mártires/Cirineu Kubn).
Fonte: http://www.latinoamericano.jor.br


Pai Nosso dos Mártires - Cirineu Kubn

Pai nosso, dos pobres marginalizados
Pai nosso, dos mártires, dos torturados.
Teu nome é santificado naqueles que morrem defendendo a vida,
Teu nome é glorificado, quando a justiça é nossa medida
Teu reino é de liberdade, de fraternidade, paz e comunhão
Maldita toda a violência que devora a vida pela repressão.
O, o, o, o, O, o, o, o

Queremos fazer Tua vontade, és o verdadeiro Deus libertador,
Não vamos seguir as doutrinas corrompidas pelo poder opressor.
Pedimos-Te o pão da vida, o pão da segurança, o pão das multidões.
O pão que traz humanidade, que constrói o homem em vez de canhões
O, o, o, o, O, o, o, o

Perdoa-nos quando por medo ficamos calados diante da morte,
Perdoa e destrói os reinos em que a corrupção é mais forte.
Protege-nos da crueldade, do esquadrão da morte, dos prevalecidos
Pai nosso revolucionário, parceiro dos pobres, Deus dos oprimidos
Pai nosso, revolucionário, parceiro dos pobres, Deus dos oprimidos
O, o, o, o, O, o, o, o
Pai nosso, dos pobres marginalizados
Pai nosso, dos mártires, dos torturados.                                                                                                                 






“A evangelização deve tornar-se uma hermenêutica da vida”, diz secretário da Pontifícia União Missionária

E-mail Imprimir PDF
CongMissionario1
O secretário geral da Pontifícia União Missionária, padre Vito Del Prate, disse hoje, 5, que a evangelização exige que a Igreja seja pobre e simples. A afirmação foi feita para 160 seminaristas e alguns formadores que participam do 1º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas, que começou ontem na capital federal.
“A evangelização deve tornar-se para nós uma hermenêutica da vida. Uma Igreja poderosa, rica, não permite que o Cristo transpareça. É necessário que a Igreja seja pobre e simples a fim de que ela possa deixar resplandecer a luz de Cristo no meio dos povos’, disse padre Del Prete, que fez a primeira Conferência do Congresso.
Pe.Vito1O secretário, que veio de Roma especialmente par ao evento, destacou o papel missionário da Igreja do Brasil na América Latina. “A Igreja que está no Brasil é o motor das inovações, da vitalidade e da missão no meio dos países da América Latina”, disse.
Padre Del Prete acentuou, ainda, a reflexão teológica que é produzida no Brasil. “Toda reflexão teológica que aparece sob o nome de teologia da libertação, e a conseqüente práxis pastoral, que se difundiu especialmente nas Igrejas jovens da África e da Ásia, nasceram no Brasil por uma paixão, que não hesito denominar missionária”.

Segundo o secretário, a Igreja do Brasil transformou os seus métodos pastorais e a sua reflexão de fé, “através de um intenso processo de inculturação, de leitura da história, de conscientização, de escolhas pastorais e de novos instrumentos catequéticos”.
Padre Del Prete recordou aos seminaristas que a missão implica a sensibilização dos novos fiéis às necessidades dos outros, a abertura dos seus olhos e dos seus corações ao reconhecimento da injustiça, do sofrimento, da opressão e da situação dos marginalizados e das pessoas abandonadas.
“Os cristãos encontram sua verdadeira identidade quando são empenhados na missão, na transmissão aos outros de um novo estilo de vida e de uma renovada interpretação da realidade e de Deus, e no compromisso em prol da libertação e da salvação dos outros”, acentuou o secretário.
Cong.Missionario
O padre alerta para a necessidade de preparar os futuros padres para a tarefa missionária, “caso contrário sua vontade de transmitir o Evangelho de Deus aos povos permanecerá apenas um desejo”. Segundo o padre, o ministério ordenado tem uma conseqüente responsabilidade missionária.
O 1º Congresso Missionário de Seminaristas prossegue até sábado, 10. Organizado pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM), Centro Cultural Missionário (CCM) e pelas Comissões para Animação Missionária e para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada, ambas da CNBB, o Congresso debate “a formação presbiteral para uma missão sem fronteiras”.
fonte: CNBB

Dia Nacional da Juventude 2010

Dia Nacional da Juventude 2010














































Estamos em Jubileu! Em 2010, completam-se 25 anos de celebração do Dia Nacional da Juventude. Esta é uma história marcada por muita reza, muita luta e muita festa! Um caminho feito pelos/as próprios/as jovens, e amigos/as da juventude, em todos os cantos deste país. Uma história de 25 anos é composta de muitas memórias, guardada no coração de milhares de jovens e seus grupos pelo Brasil afora. A memória do Dia Nacional da Juventude só é possível de ser feita se contada pelos grupo de jovens desse país.

Este ano, para nos ajudar a contar essa história e celebrar com os grupos, teremos uma página virtual: www.dnj25anos. redejuventude. org.br . A página é parte das comemorações do Jubileu DNJ e tem espaços de participação e memória. Está em construção, esperando sua participação!

Que os grupos de jovens acolham e celebrem esse Jubileu como graça da bondade de Deus e seu carinho pela juventude. Que o Jubileu do DNJ fortaleça a fidelidade da juventude e de toda a Igreja no seguimento e testemunho de Jesus Cristo, que quer vida plena para todos/as nós!

O subsidio
Para contribuir na reflexão e preparação para o DNJ, o subsídio contém três roteiros de encontros e uma celebração. Somos convidados a refletir nos encontros sobre as temáticas: Marchando e Resgatando Dívidas, Saborear o fruto e Projetar os próximos 25 anos. Após os encontros temos uma proposta de celebração com o objetivo de rezar a caminhada da juventude neste tempo jubilar: "Abre a mão para o irmão, para o necessitado e para o pobre de tua terra". Com a intenção de disponibilizar um material que seja proveitoso para a reflexão do DNJ 2010, foi elaborado um subsídio com poesias, dinâmicas, músicas, citações bíblicas, textos e ainda indicações de sites e filmes. Este material foi construído por muitas mãos, sonhando levar a nossa juventude uma reflexão sobre um tema que está presente em nosso cotidiano. 

Mãos à obra! Vamos lá, agora é a nossa vez de fazer acontecer. Que o clamor na luta pela vida de todos seja o nosso ideal. 

O custo do material é R$ 1,90* a unidade


  • O cartaz

60x40cm - Por R$ 0,90* a unidade. Cartaz Personalizado Para quantidades acima de 200 (duzentos), o CCJ poderá inserir a divulgação do evento de sua diocese como programação, local, horário e etc. Dessa forma, seu cartaz ficará personalizado e sua divulgação será mais informativa e bonita. Lembrando que a produção da personalização leva em torno 05 dias. Só serão aceitos pedidos de cartazes personalizados até o dia 24 de Setembro. A partir de R$ 1,10** a unidade


  • O adesivo
O adesivo do DNJ 2010 possui 10x15 cm. Com a mesma arte do cartaz, para que você possa colar na agenda, em cadernos e etc. Por R$ 0,70* a unidade


  • Pedidos

Os pedidos de material do DNJ deverão ser feitos diretamente ao CCJ. O material estará pronto para venda e distribuição a partir do dia 13 de julho. Faça seu pedido através do telefone: (11)2917-1425 com Miguel, ou via e-mail: livraria@ccj. org.br ou ainda pelo site: www.ccj.org. br

Observações: Mesmo com o grande aumento dos materiais no setor gráfico, o CCJ com muito esforço e consciente das dificuldades de grande parte dos grupos de jovens, conseguiu manter os materiais do DNJ com valores acessíveis. Tudo para propiciar um bom trabalho a “nossa linda juventude”.

 * Valores sem taxa de correio ou transporte. A taxa de envio será cobrada a parte. Para saber o valor da entrega, favor entrar em contato com o CCJ pelo telefone (11) 2917.1425 ou pelo e-mail: livraria@ccj. org.br.

** Valor da personalização em 01 cor (preto) e mínimo de 200 cartazes. Para personalização colorida ou outras quantidades, consulte-nos. 

PRIMEIRA SEMANA SOCIAL – Tema: “Direito à memória e à verdade”


Realização: Paróquia São José Operário de Jacareí
Apoio: Irmandade dos Mártires da Caminhada Latino Americana
Assessoria:  Centro de defesa de direitos humanos (CDDH ) - de Campinas
E Centro Bíblico Verbo – de São Paulo

PROGRAMAÇÃO
 (os cursos acontecerão no centro de formação D. Pedro Casaldáliga)

Dia 08 (quinta-feira)
19:30 h – Missa de Abertura da 1ª Semana Social – celebrante Pe. José Afonso de Souza - na Igreja Matriz São José Operário de Jacareí.
20:30 h - Reunião com o CPP e lideranças (com representante do Centro de Defesa de Direitos Humanos de Campinas – no centro de formação D. Pedro Casaldáliga.)
Dia 09 (sexta-feira)
17:00 h - Abertura dos trabalhos  do Curso “Direito à memória e à verdade” - Pe. José Afonso de Souza e Andréia Bessa - Secretária Executiva do CDDH Campinas
17:15h - Exposição: “A Igreja e o regime militar” – Expositor: Ricardo Paris – Dirigente estadual da Pastoral Operária.
18:45h - Filme: Batismo de Sangue (sobre a história de Frei Tito) e debate sobre o engajamento dos cristãos na resistência ao regime militar.
20:30h - Homenagem a Santo Dias -   Responsável: Irmandade dos Mártires da Caminhada Latino Americana.
 
Dia 10 (sábado)
14:30 h – Exposição: “O Plano Nacional de Direitos Humanos e a Luta pelo Direito à Memória e à Verdade” – Expositor: Maurice Politti – Assessor da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República.
Debate em plenário.

17:00 h - Exposição: “A atualidade da luta pelos Direitos Humanos no Brasil” - Expositor: Renato Simões – membro do CDDH de Campinas, filósofo, ex-deputado estadual e ex-presidente da comissão de direitos humanos da Assembléia Legislativa de S. Paulo.
18:30 h – Encerramento do curso “Direito à memória e à verdade”
 
Dia 11 (domingo)
09:00 h – Curso bíblico: “Antigo Testamento” – Expositora: Cecília Tofelli – Biblista do Centro Bíblico Verbo – São Paulo.
19:00 h – Missa de encerramento da 1ª Semana Social – na Igreja Matriz São José Operário de Jacareí.

domingo, 4 de julho de 2010

Campanha Missionária lança Novena em DVD



Anualmente, para animar o mês das Missões, as Pontifícias Obras Missionárias elaboram subsídios, como o Cartaz da Campanha Missionária a mensagem do Papa, santinhos com a Oração Missionária, folhetos informativos, textos para as celebrações e o Envelope para a coleta. A novidade em 2010 é a Novena Missionária em DVD, uma produção da Verbo Filme. O DVD contém nove breves documentários com temas relacionados à missão, para serem utilizados na novena missionária em todas as comunidades da Igreja no Brasil, durante o mês de outubro. Cada filme dura, em média, 7 minutos e os nove temas abordados estão em sintonia com o conteúdo do respectivo dia da novena.
Após a exibição do filme, as pessoas são convidadas a partilhar os sentimentos e as impressões daquilo que viram. O objetivo é ajudar a Igreja do Brasil a rezar com o coração e o olhar voltados para a missão além-fronteiras, Ad Gentes. Nesse sentido, os temas da Novena são:
1° DIA: Uma Novena Missionária; 2° DIA: Missão nas grandes cidades; 3° DIA: Missão nas periferias; 4° DIA: Missão em contexto de fome e guerra; 5° DIA: Missão e religiosidade popular; 6° DIA: Missão com migrantes; 7° DIA: Missão na Amazônia; 8° DIA: Missão e partilha de bens; 9° DIA: Missão e comunhão eclesial.
Em sintonia com a Campanha da Fraternidade o tema da Campanha Missionária 2010 é "Missão e Partilha". A Coleta feita no Brasil no Dia Mundial das Missões, no 4º domingo de outubro é destinada ao Fundo Mundial de Solidariedade Missionária para financiar projetos de evangelização em diversas frentes.
Os subsídios da Campanha, juntamente com o DVD e o Envelope para a Coleta já foram enviados a todas as dioceses do Brasil e podem ser retirados na Cúria da sua diocese.
Conheça o material da Campanha Missionária 2010.

Informações: Imprensa Missionária
Jaime Carlos Patias, imc - Tel.: (11) – 2256 8820
Fonte: revista Missões

Campanha SOS Pernambuco e Alagoas

Presidência da CNBB fala sobre Campanha da Fraternidade 2010, 2011, 2012

Presidência da CNBB fala sobre Eleições, Ficha Limpa, Democracia e Aplic...