sábado, 20 de novembro de 2010

Novena de Natal 2010 - 6º dia da Novena “Ó Chave de Davi!”



CHEGADA: silêncio – oração pessoal 


Refrão meditativo: Senhor, nós te esperamos.
Senhor, nós te esperamos, Senhor não tardes mais! Senhor, nós te esperamos, vem logo, vem nos salvar!

ACENDIMENTO DA VELA
Acender a vela correspondente no dia da novena.
Dirigente: Bendito sejas, Deus das promessas, porque iluminas as nossas vidas com a luz de Jesus Cristo, teu Filho, a quem esperamos com toda a ternura do coração. Amém.

ABERTURA
− Vem, ó Deus da Vida, vem nos ajudar! (bis)
Vem, não demores mais, vem nos libertar! (bis)

− Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito! (bis)
Glória à Trindade Santa, glória ao Deus Bendito! (bis)

− Aleluia, irmãs, aleluia, irmãos! (bis)
Nosso Senhor vem vindo, a Deus louvação! (bis)

− De pé, vigilantes, lâmpadas nas mãos! (bis)
Ele já está bem perto, nossa Salvação! (bis)

Dirigente: Irmãos e irmãs, o Senhor está perto! Sua graça e paz
estejam com vocês!
Todos: Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

1. RECORDAÇÃO DA VIDA
Dirigente:
Iniciamos este sexto diada novena apresentando a Deus todasas realidades fechadas e não resolvidasde nossa vida pessoal, comunitáriae social. Invocamos hoje oSenhor como Chave de Davi. Nestacomunhão, lembremos os fatos,as pessoas, os grupos... com quemqueremos estar reunidos e unidos naoração nesta espera do novo Natal doSenhor.


HINO (rezado ou cantado)
Ó vem, ó vem, Emanuel,

Refrão: Dai glória a Deus, louvai, 

povo fiel, Virá em breve, o Emanuel

1. Ó vem! Ó vem Emanuel! És esperança

de Israel! Promessa de Libertação, 
 vem nos trazer a salvação!

2. Ó vem aqui nos animar as nossas
 
vidas despertar dispersas as sombras 
 
do temor vem pra teu povo, ó Salvador.
     
3. Ó vem, Rebento de Jessé, e aos
 
filhos teus renova a fé, que possamos 
 
o mal dominar e sobre a morte  triunfar!
4. Vem, esperança das nações, 
 habita em nossos corações toda discórdia se desfaz tu és, Senhor, o rei da paz!


3. ORAÇÃO
Todos: Ó Deus, segredo de vida,enviaste teu Filho Jesus, com aschaves do teu Reino para nos abriras portas da vida. Escuta as precesdestes teus fi lhos e fi lhas emoração. Restaura-nos no teu amor,manifesta a tua misericórdia e dánosa tua salvação. Por Cristo, nossoSenhor. Amém!
 4. SALMO 147 – A (rezado ou cantado)
Dirigente:
“Vem, vou te mostrar anoiva, a esposa do Cordeiro” ( cf. Ap21,9).
O hino pela restauração de Sião louva
ao Senhor que mostra seu poder
na criação e em nossa história. Vamos
cantá-lo, agradecendo ao Senhor
que se aproxima de nós.

Refrão: Jerusalém, povo de Deus,
Igreja Santa, levanta e vai, sobe as
montanhas, ergue o olhar: lá no
oriente desponta o sol da alegria,
que vem de Deus aos fi lhos teus:
eis o teu dia!

C
antai a nosso Deus, ao som de violões!
Com nuvens cobre os céus, e
desfaz os torrões! E faz brotar nos
campos as ervas e os feijões!

Fornece o alimento às aves e animais!
Na força dos guerreiros, meu
Deus não se compraz! Quem teme e
nele espera lhe agrada muito mais!

Ao Pai do céu louvemos e ao que
vem, cantemos; E ao Divino então,
A nossa louvação! Os Três, que são
um Deus, exalte o povo seu!

5. LEITURA BÍBLICA
Ler pausadamente Apocalipse 3, 7-8

6. MEDITAÇÃO DA PALAVRA
DE DEUS – silêncio – partilha – refrões

7. APROFUNDAMENTO
Leitor 1 −
A chave é o símbolo dopoder supremo em um encargo. Oprofeta Isaías anuncia a investidurade Eliaquim e diz: “Colocareia chave da casa de Davi sob a responsabilidadedele: quando ele abrir,ninguém poderá fechar; quando elefechar, ninguém poderá abrir” (Is22,22). Na missão do Servo, segundoo profeta Isaías, o Senhor o constituiupara dizer aos cativos: “Saiam!”(Is 49,9), porque o Senhor chamoo Servo para que abra os olhos doscegos, para que tire os cativos da prisão,e da masmorra os que habitamnas trevas (cf. Is 42,7).

Leitor 2 – Jesus de Nazaré, ao serbatizado no Jordão, recebeu de Deusa mesma missão do Servo, de abrir
ao pecador a possibilidade de livrarsedo domínio do pecado, e de abriraos justos as portas do Reino do
céus. Por sua ressurreição, recebeudo Pai to do o poder no céu e na terra(cf. Mt 28,18). Por ele, as promessasfeitas a Davi se cumpriram.

Leitor 3 – Na espera amorosa do seunovo Natal, aclamamos e proclamamosa Jesus como Chave de Davi, esuplicamos que se apresse em resgatar definitivamente a humanidadeque anseia pela realização do Reino de Deus entre nós.

Dirigente: Com Maria, demos graçasa Deus porque nos abre as portasda vida e do Reino por seu Filho Jesus.Peçamos que ele nos liberte das forças da morte.

CANTO: Ó...Ó Chave de Davi (rezado ou cantado)
Ó ... Ó Chave de Davi:
És o cetro da casa de Israel, tu que
abres, e ninguém pode fechar, tu que
fechas, e abrir quem poderá? Vem
depressa esta raça acudir, algemado
quem vai poder sair, se na sombra da
morte é seu lugar? Ó, ó.

Refrão: Vem, ó Filho de Maria,
vem, Ó Cristo, Rei-Messias, quanta
sede, quanta espera, quando
chega, quando chega aquele dia?...



ORAÇÃO FINAL
CÂNTICO DE MARIA
– A minh’alma engrandece o Senhor / E exulta o meu espírito em Deus Salvador;
– porque olhou para a humildade de sua serva, / doravante as gerações hão de chamar-me de bendita.
– O Poderoso fez em mim maravilhas / e santo é seu nome!
– Seu amor para sempre se estende / sobre aqueles que o temem;
– manifesta o poder de seu braço, / dispersa os soberbos;
– derruba os poderosos de seus tronos / e eleva os humildes;
– sacia de bens os famintos / despede os ricos sem nada.
– Acolhe Israel, seu servidor, / fi el ao seu amor,
– como havia prometido a nossos pais, / em favor de Abraão e de seus filhos para sempre.
– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. / Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

PRECES
DirigenteIrmãos e irmãs, com Maria, aguardemos vigilantes a manifestação
do Filho de Deus que a todos quer salvar.
Todos: Maranathá, vem, Senhor Jesus!
● Ó Cristo, faze de nosso coração e de todo o nosso ser a tua morada e vem nos salvar!
● Ó Cristo, assumiste nossa fraqueza e nossa pobreza, faze-nos fortes e ricos em teu amor!
● Ó Cristo, guia em teu caminho todos nós que te esperamos nas estradas deste mundo!
Preces espontâneas...
(que nasçam da Palavra de Deus meditada e partilhada)
Dirigente: Já está bem perto a nossa salvação! Em comunhão com a criação inteira, que geme e sofre em dores de parto, rezemos a oração que o Senhor nos ensinou: Pai nosso...

BÊNÇÃO
Dirigente: O Deus da esperança, da alegria e da paz permaneça com todos nós, agora e para sempre. Amém!
DirigenteBendigamos ao Senhor!
Todos: Graças a Deus!
DirigenteO auxílio divino permaneça sempre conosco!
Todos: E com nossos irmãos e irmãs ausentes!



Campanha para Evangelização começa no domingo

ce2010_cartaz“Em Cristo somos novas criaturas”. Este é o lema da Campanha para a Evangelização (CE) que começa no próximo domingo, 21, em todas as dioceses do Brasil. Aprovada pela 35ª Assembleia Geral da CNBB em 1997, a Campanha tem como objetivo arrecadar fundos para a sustentação do trabalho de evangelização da Igreja no Brasil.
A CE é realizada durante o advento e termina no dia 12 de dezembro. Nas celebrações deste dia é feita uma coleta em todas as paróquias e comunidades eclesiais.
“A Campanha para a evangelização, além de estar em perfeita harmonia com o espírito do tempo do Advento, também tem a finalidade de angariar fundos que garantam a continuidade da obra evangelizadora em nosso país”, explica o presidente da Comissão da CNBB responsável pela Campanha, dom Raymundo Damasceno Assis.
“Com o resultado da coleta nacional para a evangelização, não só realizamos a manutenção da CNBB nacional e regional e a realização de seus trabalhos, como também financiamos projetos evangelizadores em todo o território nacional”, acrescenta dom Damasceno.
Com o tema “Encarnação e nova criação”, a Campanha deste ano traz como uma das novidades um texto-base que aprofunda o lema “Em Cristo somos nova criatura”. O texto dá, também, orientações para a organização e animação da Campanha nas dioceses e paróquias.
Segundo o texto-base, ao propor este tema e lema, que estão em sintonia com a Campanha da Fraternidade do próximo ano, a Campanha visa “despertar nos fiéis a relação entre fé e vida, através da conscientização sobre a responsabilidade diante da vida no planeta como elemento essencial para a realização do trabalho evangelizador a fim de que, pela palavra, pela ação e pela doação pessoal e material, todos contribuam de maneira mais efetiva para a ação evangelizadora da Igreja”.

Doações pelo serviço 0500

Pela primeira vez, a Campanha para a Evangelização vai receber doações também por telefone. A CNBB contratou um serviço 0500, que receberá doações a partir de domingo, 21, até o dia 12 de dezembro. Os doadores poderão ofertar 5, 10 ou 15 reais discando, discando, respectivamente, os números 0500-2512-005; 0500-2512-010 ou 0500-2512-015.
Outra opção será através de boleto bancário emitido via internet. Na página eletrônica da CNBB foi criado o link http://www.cnbb.org.br/evangelizar/ para este serviço, cujo acesso só poderá ser feito a partir do próximo domingo. Há, ainda, a opção de fazer depósito diretamente no banco, na conta 9-0, da Agência 2220, Operação 003, da Caixa Econômica Federal, em nome da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.
A coleta da Campanha para a Evangelização é distribuída da seguinte maneira: 45% ficam na própria diocese; 20% vão para o Regional da CNBB e 35% se destinam à CNBB.

“Critério de grandeza não é o domínio, mas o serviço”, diz Bento XVI aos novos cardeais

Cardeais2O papa Bento XVI criou 24 novos cardeais durante uma cerimônia que presidiu, neste sábado, 20, na Basílica de São Pedro, no Vaticano. Entre os novos cardeais está o arcebispo de Aparecida (SP) e presidente do Conselho Episcopal Latino-americano (Celam), dom Raymundo Damasceno Assis, ex-secretário geral da CNBB.
Após a saudação litúrgica o papa leu a fórmula de criação dos purpurados e proclamou solenemente os nomes dos novos cardeais, para os unir com “um vínculo mais estreito à Sé de Pedro”, tornando-se membros do clero de Roma. O cardeal Angelo Amato saudou Bento XVI em nome de todos.

Em sua homilia, o papa recordou que o estilo de vida de Jesus, que não veio para ser servido, mas para servir, deve estar na base das novas relações no interior da comunidade cristã e de uma nova maneira de exercer a autoridade.
“O Filho do homem, que veio para servir, sintetizando assim a sua missão sobre a categoria do serviço, compreendida não no sentido genérico, mas naquele concreto da Cruz, na doação total da vida como redenção para muitos, e o indica como condição para o seguir”, disse o papa.

Segundo o papa, o olhar vai para o comportamento que correm o risco de assumir aqueles que são considerados os governantes das nações: “dominar e oprimir”. “Porém na Igreja não é assim, existe um estilo diferente: é uma mensagem que vale para os Apóstolos, vale para a Igreja inteira, vale sobretudo para aqueles que têm tarefas de guia do Povo de Deus”, ressaltou Bento XVI.

Terminada a homilia, os novos cardeais fizeram a profissão de fé e o juramento de fidelidade e obediência ao Papa e seus sucessores, “a Cristo e o seu Evangelho”.

Bento XVI impôs sobre cada um deles o barrete cardinalício e pronunciou a fórmula "vermelho como sinal da dignidade do cardinalato, significando que deveis estar prontos a comportar-vos com fortaleza, até à efusão do sangue, pelo aumento da fé cristã, pela paz e a tranquilidade do povo de Deus e pela liberdade e a difusão da Santa Igreja Romana".

O papa confiou a cada cardeal uma igreja de Roma (título ou diaconia), simbolizando a participação na solicitude pastoral do papa na cidade, e a bula de criação cardinalícia. Um abraço de paz encerrou este momento. O rito conclui-se com a recitação do Pai-Nosso e a bênção final.

CNBB/RV
Fonte:CNBB

Dia Mundial de Oração e Ação pela Criança


Dia Mundial de Oração e Ação pela Criança 




O Dia Mundial de Oração e Ação pela Criança, celebrado no dia 20 de novembro, é uma corrente de colaboração entre as religiões da comunidade em favor das crianças. Junto com as iniciativas nas comunidades do país, o Comitê Gestor da GNRC Brasil e a Pastoral da Criança promoverão celebrações inter-religiosas nas cinco regiões do Brasil, com programação especial.
Na Região Sudeste, a celebração central será em São Paulo no dia 18 de novembro, no Memorial da América Latina, sala Mário de Andrade, na Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 664 - portão 12 (carros) e portão 15 (pedestres) - Barra Funda, das 13h30 às 16h. Na programação estão momentos de brincadeiras, de reflexão e de bênçãos às crianças presentes. Fazem parte da organização do evento Arquidiocese SP; MOFIC; URI; CLAI; Ramakrishna; CIP; Zen Budismo; Pastoral da Criança.
Instituído durante o III Fórum Global da Rede Global de Religiões para a Infância (GNRC), realizado em Hiroshima, em maio de 2008, o Dia Mundial de Oração e Ação pela Criança tem como proposta direcionar, neste dia, todos os anos, orações e ações, sejam elas pessoais ou em grupos inter-religiosos para a proteção dos direitos e a promoção do bem-estar das crianças. O dia 20 de novembro foi escolhido por ser o Dia Internacional da Infância, data em que foi proclamada a Convenção sobre os Direitos da Criança pela Organização das Nações Unidas (ONU).
O tema no Brasil este ano será “Reduzir a violência, a pobreza, e construir a paz”.  A Pastoral da Criança, que integra a GNRC, mobilizou a sua rede de mais de 260 mil voluntários e 1,4 milhão de famílias brasileiras acompanhadas em todos os estados brasileiros. Para isso, foi impressa a oração (veja abaixo) em folhetos e cartazes e, também impressa no Jornal da Pastoral da Criança no mês de novembro, que será rezada nas 1,4 milhão de visitas domiciliares realizadas pelos voluntários da Pastoral da Criança, no mês de novembro, e também nas 42 mil Celebrações da Vida, dia em que as crianças são pesadas nas comunidades.


Oração da Criança (20 de novembro)
Senhor da Vida, que nossas crianças sejam como Vós o desejais! 
Que nossa FÉ ajude a buscar mais dignidade e qualidade de vida para as crianças de nossa comunidade, cidade, do Brasil e do mundo. Senhor, em muitos lugares a idolatria da riqueza é uma ameaça para a paz. Nosso planeta está cada vez mais explorado e poluído, e as crianças são as primeiras a sofrer quando o egoísmo toma conta do coração das pessoas. Dá-nos coragem para mudar esta história! Ajudai-nos a lutar contra as causas que promovem o  em pobrecimento, a injustiça e a opressão das crianças e suas famílias. Dai-nos força para impedir que hoje meninas e meninos sejam explorados, forçados a trabalhar e envolver-se com drogas, dormir e acordar com fome e sede, não tenham escola para estudar, espaço seguro para brincar e morram por causas que podem ser prevenidas. Queremos o bem-estar da criança e o respeito aos seus direitos. Vamos protegê-la durante toda a sua vida, que é sagrada. Que o Teu espírito nos ilumine para cuidar da criança desde o ventre da mãe, e garantir os seus direitos de cidadania. Que ela receba as vacinas e leite materno, alimentação adequada, água limpa, oportunidades para se desenvolver plenamente. Senhor da Vida, junto com nossas crianças, em uma só voz, agradecemos todo o bem que foi feito por tantas pessoas de boa vontade. Nossa força está em Ti, que nos leva a ação para construir um mundo no qual a criança possa ter vida, e vida em abundância! Amém!




sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Ordenação Presbiteral - Diácono Fabiano Kleber Cavalcanti Amaral





Com alegria, a Diocese de São José dos Campos, convida para a Ordenação Presbiteral de
 Diácono Fabiano Kleber Cavalcanti do Amaral
Dia 11/12/2010, às 9h, no Ginásio de Esportes D. de Oliveira
 (Paróquia Maria Auxiliadora dos Cristãos) - Rua Takeo Ota, Jacareí.

Ei, Zumbi me faz reencontrar com sua negritude em mim! Mário Moura


A população negra em nosso país tem como referência principal A LUTA DO QUILOMBO DOS PALMARES pela construção de uma sociedade alicerçada na ética, na justiça, na liberdade, uma sociedade mais humana. Desde o início de nossa história os negros são tratados com inferioridade, sem direitos e relegados a uma vida indigna e desumana. Ainda hoje, os povos negros têm dificuldade em mostrar o seu valor, de serem sujeitos históricos de suas realidades na arte, na cultura, na mídia, na política... na sociedade. Apesar da discriminação, da exclusão - indiferença - existem expressões fortes da cultura afro, que resistem e persistem, no seio das manifestações sociais do Brasil.


Sou negro, sou lindo, sou cidadão.
     "Ei, Zumbi, Zumbi Ganga meu rei, você não morreu, você está em mim!" Este canto de esperança é um grito, um clamor a Zumbi dos Palmares, herói não apenas dos negros, mas de todo o povo brasileiro. E por quê? A LIBERDADE é o grito do Quilombo dos Palmares, é a autenticidade da luta negra, dos negros escravos da senzala... IGUALDADE é o brado forte dos tambores, atabaques e batuques, cantada e esperançada no sangue derramado, na ternura e resistência pela humanidade negra.

     Zumbi e todos que se inquietaram e se inquietam; não se calaram, não se calam; não se omitiram, não se omitem; que acreditaram e acreditam; que doaram e doam suas vidas, na luta pela liberdade e igualdade são os atores que fazem a gente, o Brasil a se reencontrar com a nossa identidade negra.

     O Brasil ainda está longe de assegurar direitos iguais a todos os seus cidadãos. A ideia que vivemos em um país livre do racismo, a chamada "democracia racial" tão defendida por Gilberto Freyre não existe. Segundo o sociólogo e antropólogo brasileiro a miscigenação entre brancos, negros e índios fora a maneira encontrada pelo país para viabilizar a convivência pacífica e harmoniosa entre as diferentes raças (FREYRE, 2006). O mito da democracia racial esconde nos "porões da história", os processos de exclusão e de marginalização dos negros na sociedade brasileira. 

     Podemos destacar a sub-representação da população negra no poder do Estado nas suas várias esferas e as desigualdades sócio-raciais. A dimensão política da desigualdade racial está estreitamente ligada e exclusão da população negra dos espaços de poder e consequentemente das decisões sobre o destino dos esforços e bens coletivos.

     Com relação às posições de poder no âmbito da justiça, por exemplo, que entre "o grupo formado por juízes e desembargadores federais, aproximadamente 7% se declararam pretos ou pardos, sendo que 14% dos bacharelados se declararam negros" (PNUD, 2005: 48). Na esfera estatal "é visível que os negros não conseguem fazer prevalecer suas necessidades em muitas políticas públicas, pois estão sub-representados em todas as posições de poder" (Ibdem, 2005: 50). 

     Na economia e no mercado de trabalho é evidente a exclusão dos negros. Segundo o Pnad de 2003, em torno de 46% da População Economicamente Ativa (PEA) e 48% dos que atuam por conta própria eram profissionais negros, porém emergem desigualdades na representação proporcional com relação à atividade produtiva, pois os negros estão sobre-representados nos nichos de mercado menos valorizados, como construção civil, comércio ambulante e setor de serviços, que envolvem trabalhos manuais e pesados. No comércio não-ambulante entre as profissões liberais e no ramo de serviços auxiliares de atividades econômicas, que agregam trabalhos e ocupações mais valorizados pela sociedade, estão sub-representados, independente da região (Ibdem, 2005:51).

     No que tange a presença das pessoas negras nos cargos de direção e gerência das 500 maiores empresas do país, em 2003 no nível mais elevado das hierarquias (executivo) dessas companhias apenas 1,8% dos funcionários era negro. Nos cargos de gerência, chefia e todo quadro funcional 8,8%; 13,5% e 23,4% respectivamente.

     Nesse sentido, quanto mais se avança rumo ao topo das hierarquias de poder, mais a sociedade brasileira se torna branca, este em todos os espaços decisivos para a formação e manutenção de poder. Portanto, esta realidade se configura em uma situação que contribui na persistente desigualdade racial no desenvolvimento humano brasileiro, resultado histórico de uma discriminação dos brancos contra as pessoas de fenótipo africano.

     Na sociedade brasileira, a ausência de políticas públicas e sociais direcionadas aos descendentes de escravos e escravas contribuiu para deixá-los na pobreza. 

     Pobreza não apenas de renda, mas pobreza humana (...) a pobreza humana não enfoca o que as pessoas possuem ou deixam de possuir, mas o que elas podem ou não fazer. É a privação das capacidades mais essenciais da vida, incluindo desfrutar de uma vida longa e saudável, ter acesso ao conhecimento, ter recursos econômicos adequados para uma vida digna e poder participar da vida comunitária, defendendo seus interesses (PNUD, 2005: 57).

     A diferença entre o desenvolvimento humano da população branca e o da população negra do Brasil está ligada, sobretudo à renda:

     Embora os negros representem 44,7% da população do país, sua participação chega a 70% entre os 10% mais pobres e seus rendimentos, somados, correspondem a 26% do total apropriado pelas famílias brasileiras. Em 2003, os homens brancos ganhavam em média 113% mais que os homens negros, e as mulheres brancas, 84% mais que as mulheres negras (PNUD, 2005: 60).

     Em 1888, os negros foram libertados da escravidão. Libertados? Deixaram de ser escravos dos senhores de engenho, mas se tornaram filhos rebentos da nação sem nenhuma política social, indenizações que permitisse o mínimo de integração e direitos sociais: foram jogados à rua, nas favelas, nos bolsões de miséria, sem casa, saúde, trabalho, educação... os negros são maioria nos presídios e nas favelas, são a maioria dos analfabetos e recebem os menores salários. O Brasil tem um legado: resolver o seu passado!

     O debate sobre a temática racial no Brasil deve ser realizado amplamente e apesar do abismo existente entre negros e brancos temos conquistas, principalmente no campo das políticas de identidade e de reconhecimento. O estabelecimento do 20 de novembro como Dia Nacional da Consciência Negra e o reconhecimento de Zumbi dos Palmares como herói nacional são um exemplo. Há também a Lei nº 10.639/2003, que inclui, no currículo escolar, o ensino da história afro-brasileira, bem como a valorização da estética e da cultura negra. Ampliou-se o diálogo com o Estado na luta por direitos, incluindo na agenda nacional o reconhecimento e o combate às profundas desigualdades sociais entre negros e brancos, com a adoção das políticas de ações afirmativas.

     Os desafios são grandes: aglomerar um maior número de ativistas que provenham das classes populares, bem como reforçar a importância do movimento negro e aumentar a sua participação nos espaços de decisão. Outro ponto a ser enfrentado é a questão das cotas nas universidades e, consequentemente a construção de uma agenda que privilegie a luta a favor dos direitos humanos que seja direcionada contra a pobreza, a violência e o racismo no Brasil.

     Zumbi, liderando o Quilombo dos Palmares, foi um herói negro das Américas. Palmares é a chama, é o sonho, é a esperança apagada na História dos livros, mas arde em nossos peitos, corações, sentimentos, ideais e almas no nosso caminhar. O 20 de novembro é o nosso símbolo de liberdade, o sonho que deve ser buscado até que o Brasil reconheça de fato todos os brasileiros.

     "Ei, Zumbi, nessa terra fértil, outros como você também tombaram ao chão (...) e muitos tombarão, enquanto houver luta pela libertação".

     Axé, Resistência e Compromisso!


Referências:O BRASIL. Relatório de Desenvolvimento Humano - Brasil 2005: racismo, pobreza e violência. PNUD: Brasília-DF, 2005.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala. 50 ed. Global: São Paulo, 2006.

Mário Henrique Lopes Moura,
Especialista em Educação Especial, Pedagogo e Professor de Ensino Religioso, militante da Pastoral da Juventude do Meio Popular (PJMP).
Endereço eletrônico: mario_pedagogia@hotmail.com

Comunicado de Dom Nelson aos Bispos do Regional Sul 1



São Paulo, 19 de novembro de 2010

Caríssimos Irmãos no Episcopado,

Comunico que, em sua reunião ordinária, realizada em 18 de novembro de 2010, a Comissão Episcopal Representativa do Regional Sul 1 – CNBB, de acordo com o Artigo 24 do Regulamento do Conselho Episcopal Regional - CONSER - Sul 1 – CNBB, elegeu Dom Moacir Silva para o cargo de Vice-Presidente do CONSER, em substituição a Dom Benedito Beni dos Santos, que apresentou renúncia do cargo de Vice-Presidente do CONSER.

Votos de todo bem e de toda graça.

No Coração do Bom Pastor,

Dom Nelson Westrupp, scj
Presidente do Conselho Episcopal Regional Sul 1 - CNBB

Fonte:CNBB SUL1

Coordenadores e multiplicadores da Pastoral da Pessoa Idosa em encontro Estadual





Durante o evento, os participantes avaliaram sua caminhada
e projetaram metas para 2011


Os diversos coordenadores e multiplicadores da Pastoral da Pessoa Idosa do Regional Sul 1 reuniram-se entre os dias 12 e 14 de novembro, na Lareira São José, na zona norte de São Paulo, para um encontro estadual. Trata-se de uma iniciativa promovida pela própria pastoral, além de incentivar, motivar e integrar, o encontro serviu para analisar o trabalho realizado durante o ano de 2010 e projetar metas para o próximo ano.

“Comparando os anos de 2009 e 2010, a atuação da Pastoral da Pessoa Idosa teve um crescimento de 14,3% de líderes comunitários, hoje são 2800 lideres no Estado de São Paulo. Com relação ao número de pessoas idosas atendidas houve um crescimento de 10,5%, com atendimento a cerca de 19000 pessoas idosas atendidas”, referiu Albertina Luiza Daltrini Felice, coordenadora estadual. Na sua avaliação, todos saíram mais fortalecidos e esperançosos para suas respectivas dioceses, ansiosos para conquistar mais lideres e pessoas idosas para atenderem.

O encontro contou ainda com a visita pastoral do bispo referencial desta pastoral no Regional Sul 1 da CNBB, Dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto, bispo diocesano de Itapetininga, (SP). Na sua homilia parabenizou o trabalho das coordenadoras e incentivou-as a serem perseverantes. O bispo ainda exortou as coordenadoras a persistirem nas orações e na fé, para fazerem um trabalho de qualidade, levando fé vida e esperança as pessoas idosas.

A Pastoral da Pessoa Idosa no Regional Sul 1 da CNBB atua em 38 (arqui) dioceses do Estado de São Paulo.

fonte:CNBB Sul1

Novena de Natal 2010 - 5º Dia da Novena “Ó Raiz de Jessé!”

ORAÇÃO INICIAL


CHEGADA: silêncio – oração pessoal 


Refrão meditativo: Senhor, nós te esperamos.
Senhor, nós te esperamos, Senhor não tardes mais! Senhor, nós te esperamos, vem logo, vem nos salvar!

ACENDIMENTO DA VELA
Acender a vela correspondente no dia da novena.
Dirigente: Bendito sejas, Deus das promessas, porque iluminas as nossas vidas com a luz de Jesus Cristo, teu Filho, a quem esperamos com toda a ternura do coração. Amém.

ABERTURA
− Vem, ó Deus da Vida, vem nos ajudar! (bis)
Vem, não demores mais, vem nos libertar! (bis)

− Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito! (bis)
Glória à Trindade Santa, glória ao Deus Bendito! (bis)

− Aleluia, irmãs, aleluia, irmãos! (bis)
Nosso Senhor vem vindo, a Deus louvação! (bis)

− De pé, vigilantes, lâmpadas nas mãos! (bis)
Ele já está bem perto, nossa Salvação! (bis)

Dirigente: Irmãos e irmãs, o Senhor está perto! Sua graça e paz
estejam com vocês!
Todos: Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.



1. RECORDAÇÃO DA VIDA
Dirigente: Neste quinto dia da novena, trazemos para nossa oração nossa vida e a nossa busca de Deus.
Invocamos hoje, o Senhor como raiz de Jessé. Nesta comunhão,lembremos os fatos, as pessoas, os grupos... com quem queremos estar reunidos e unidos na oração nesta espera do novo Natal do Senhor.



HINO (rezado ou cantado)
Ó vem, ó vem, Emanuel,

Refrão: Dai glória a Deus, louvai, 
povo fiel, Virá em breve, o Emanuelel
 

1. Ó vem! Ó vem Emanuel! És esperança

de Israel! Promessa de Libertação, 
 vem nos trazer a salvação!
 

2. Ó vem aqui nos animar as nossas
 
vidas despertar dispersas as sombras 
 
do temor vem pra teu povo, ó Salvador.
     
3. Ó vem, Rebento de Jessé, e aos
 
filhos teus renova a fé, que possamos 
 
o mal dominar e sobre a morte  triunfar!
4. Vem, esperança das nações, 
 habita em nossos corações toda discórdia se desfaz tu és, Senhor, o rei da paz!
  
3. ORAÇÃO
Todos: Ó Deus das promessas, enviaste teu Filho Jesus, broto nascido da antiga raiz, para renovar com a humanidade tua aliança de justiça. Escuta as preces destes teus fi lhos e fi lhas em oração.
Restaura-nos no teu amor, manifesta  a tua misericórdia e dá-nos  a tua salvação. Por Cristo, nosso  
Senhor. Amém.


4. SALMO 85 (rezado ou cantado)
Dirigente: “A palavra se fez carne e
habitou entre nós e contemplamos a
sua glória” ( cf. Jo 1, 14).
Voltando do cativeiro para a terra
prometida, o povo agradece ao Senhor
e implora que Ele complete a
salvação.

Refrão: Das alturas orvalhem os
céus e as nuvens que chovam justiça,
que a terra se abra ao amor e
germine o Deus Salvador.

Foste amigo, antigamente desta
terra que amaste, deste povo que
escolheste; sua sorte melhoraste,
perdoaste seus pecados, tua raiva
acalmaste.


Escutemos suas palavras, é de paz
que vai falar; paz ao povo, a seus
fi éis, a quem dele se achegar. Está
perto a salvação e a glória vai voltar.


Glória ao Pai onipotente ao que
vem, glória e amor. Ao Espírito cantemos:
glória a nosso Defensor! Ao
Deus uno e trino demos a alegria do
louvor.



5. LEITURA BÍBLICA
Ler pausadamente Carta aos Romanos
15, 12-13



6. MEDITAÇÃO DA PALAVRA DE DEUS – silêncio – partilha – refrões



7. APROFUNDAMENTO
Leitor 1 − Davi, fi lho de Jessé, pastor de ovelhas, chamado por Deus a ser rei do pequenino Israel, recebeu do Senhor, pelo profeta Natã, a promessa de um reino forte e estável: “[...] eu darei a você um grande nome, como o nome dos grandes da terra [...]. Eu livrarei você de todos os seus inimigos [...]. A dinastia e a realeza dele permanecerão firmes para sempre diante de mim; e o seu trono será sólido para sempre” (2Sm 7,9-16).



Leitor 2 – Quando, séculos mais tarde, o reino de Israel se enfraquecera, e a realeza de Davi parecia ter desaparecido, os profetas anunciaram a retomada das antigas promessas e o 
florescimento do tronco que parecia cortado: “Do tronco de Jessé sairá um ramo, um broto nascerá de suas raízes. [...] a raiz de Jessé se erguerá como bandeira para os povos [...]”
 (Is 11,1-10).


Leitor 3 – Na plenitude dos tempos, quando Deus enviou o seu Filho, Ele o confi ou a José, fi lho de Davi, da descendência de Jessé. Ele nasceu em Belém, cidade de Davi, para cumprir as Escrituras. E quando os
magos, representando todas as nações, se dirigiram até Belém (cf. Mt 2,1-12) e o adoraram oferecendo seus presentes, a descendência de Davi se levantou como sinal para todos os povos. E por toda a vida Jesus foi reconhecido e aclamado como alguém da descendência de Davi, na certeza de que as promessas tinham-se cumprido.




Leitor 4 – Na espera amorosa do novo Natal do Senhor, contemplamos e aclamamos o Cristo como Raiz de Jessé, como aquele diante de quem todos os povos se calam, e pedimos que Ele realize em nós a sua justiça.

Dirigente: Com Maria, demos graças a Deus porque desponta do broto de Jessé: Jesus Cristo, Filho de Davi e Filho de Deus. Peçamos que Ele nos livre de nossas amarras e medos, de nossas faltas de fé e esperança.

CANTO: Ó...Ó Raiz de Jessé
(rezado ou cantado)
Ó... Ó Raiz de Jessé: Estandarte
bem alto levantado, um sinal para
todas as nações, frente a ti fi cam
mudos os barões, clama o povo e
só quer ser escutado, vem, Senhor,
libertar o escravizado, não demores,
escuta as orações, ó, ó.

Refrão: Vem, ó Filho de Maria,
vem, dos tristes alegria quanta
sede, quanta espera, quando chega,
quando chega aquele dia?...

ORAÇÃO FINAL
CÂNTICO DE MARIA
– A minh’alma engrandece o Senhor / E exulta o meu espírito em Deus Salvador;
– porque olhou para a humildade de sua serva, / doravante as gerações hão de chamar-me de bendita.
– O Poderoso fez em mim maravilhas / e santo é seu nome!
– Seu amor para sempre se estende / sobre aqueles que o temem;
– manifesta o poder de seu braço, / dispersa os soberbos;
– derruba os poderosos de seus tronos / e eleva os humildes;
– sacia de bens os famintos / despede os ricos sem nada.
– Acolhe Israel, seu servidor, / fi el ao seu amor,
– como havia prometido a nossos pais, / em favor de Abraão e de seus filhos para sempre.
– Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. / Como era no princípio, agora e sempre. Amém.

PRECES
DirigenteIrmãos e irmãs, com Maria, aguardemos vigilantes a manifestação
do Filho de Deus que a todos quer salvar.
Todos: Maranathá, vem, Senhor Jesus!
● Ó Cristo, faze de nosso coração e de todo o nosso ser a tua morada e vem nos salvar!
● Ó Cristo, assumiste nossa fraqueza e nossa pobreza, faze-nos fortes e ricos em teu amor!
● Ó Cristo, guia em teu caminho todos nós que te esperamos nas estradas deste mundo!
Preces espontâneas...
(que nasçam da Palavra de Deus meditada e partilhada)
Dirigente: Já está bem perto a nossa salvação! Em comunhão com a criação inteira, que geme e sofre em dores de parto, rezemos a oração que o Senhor nos ensinou: Pai nosso...

BÊNÇÃO
Dirigente: O Deus da esperança, da alegria e da paz permaneça com todos nós, agora e para sempre. Amém!
DirigenteBendigamos ao Senhor!
Todos: Graças a Deus!
DirigenteO auxílio divino permaneça sempre conosco!
Todos: E com nossos irmãos e irmãs ausentes!