terça-feira, 7 de agosto de 2012


ESPIRITUALIDADE DAS CEBs


1. Espiritualidade bíblica – alicerçada na leitura “comprometida” da Palavra de Deus, a partir da realidade e ligada à vida, aos problemas, lutas e esperanças dos pobres e excluídos, inserida nas questões sociais e políticas que afetam a sua vida, na partilha da palavra, encostando a Bíblia na vida das pessoas/do povo. As palavras e a prática de Jesus que se colocou entre os excluídos do seu tempo fazendo-os sujeitos da transformação alimenta a “Espiritualidade do compromisso e de fidelidade”.

2. Espiritualidade profética – porque profundamente bíblica é
radicalmente profética, que não admite a injustiça, a opressão, a exclusão dos pequenos, das minorias, por isso corajosamente denunciadora de tudo que constitui o antireino e anunciadora do novo mundo possível, do reino da vida abundante partilhada para todos. Ao longo da história do povo de Deus sempre apareceram pessoas corajosas, fiéis a Deus e por isso apaixonadas pela vida (profetas). Tinham uma visão clara do passado, do presente e do futuro e levantavam a voz para, em nome de Deus, denunciar e apontar caminhos novos.
  
3. Espiritualidade libertadora e transformadora – porque bíblico-profética é absolutamente libertadora de todas as formas de injustiça institucionalizada, das práticas do projeto de morte do sistema neoliberal centrado no lucro máximo a qualquer preço. O povo de Deus vivia na escravidão do Egito, mas cheio de fé se organizou e saiu apressadamente para uma Terra Prometida, terra “onde corre leite e mel”. “Eu vi a aflição do povo, eu escutei os clamores...”

4. Espiritualidade integradora: Fé e Vida, leitura da Bíblia e realidade, que traz a vida para dentro da reza, da celebração da Palavra e da Eucaristia, que ilumina a vida e abre para o compromisso libertador com os excluídos, com a natureza e com o cosmo inteiro.

5. Espiritualidade ecumênica, dialogal, inter-religiosa, que respeita,
reconhece e valoriza outras formas ou expressões de fé, de religiosidade, de
culto a Deus, que acredita e aceita que Deus opera a salvação e a libertação
por outros caminhos e outras formas de expressão da fé e de fidelidade ao
Deus da vida. Uma espiritualidade acolhedora e sempre atenta e aberta às
infinitas manifestações do Espírito, “que sopra onde quer” (Jo 3,8ss).

6. Espiritualidade martirial, do testemunho de fidelidade incondicional ao
projeto do Reino, que leva ao martírio: de cultivo da memória dos mártires da caminhada que anima e encoraja em meio às ameaças e perseguições na concretização do Projeto do Reino. A espiritualidade própria das CEBs surge da Bíblia e da experiência de Deus feita pelos santos e santas, padroeiros e padroeiras, profetas e profetizas do povo que testemunharam pelo martírio sua fidelidade ao Reino.

7. Espiritualidade da comum-união, da comum-unidade e do compromisso sócio-transformador, que conduz à luta solidária pela justiça e pela cidadania de todos. Conduz à participação “democrática” e “compromisso “libertador”, na comunidade eclesial e na sociedade.

Brasília, 06 de julho de 2008
Ir. Renato

Nenhum comentário: