quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

De órfãos da pobreza a filhos adotivos da miséria


Por Chico de Gois*

Pelas ruas de Porto Príncipe, a cena é comum: meninas com tranças nos cabelos, meninos com material de baixo do braço, uniformes impecáveis, sapatos limpos, sorriso, algumas delas dentro dos tap-tap — o transporte coletivo utilizado na cidade. São os estudantes, um retrato que, para muitos, é a cara do Haiti, mesmo depois do terremoto de 12 de junho que matou cerca de 250 mil pessoas, segundo números das Nações Unidas, e deixou aproximadamente um milhão de desabrigados.

Mas há outra face do país, que não aparece nas ruas, e é motivo de tabu entre os haitianos. Atende pelo nome de rest avec vous, ou, como dizem por aqui, simplesmente rest’avec — “fique com você”.

São crianças entregues pelos pais biológicos a parentes ou vizinhos porque não conseguiam criá-las. Órfãos com pais e mães vivos, na maioria dos casos acabam se tornando escravos da nova família, e até mesmo objeto sexual.

No Haiti, estima-se que 80% da população estejam abaixo da linha de pobreza. Apesar disso, é incomum ver homens sem camisa pelas ruas ou crianças sem roupas.

Todos fazem questão de se vestir bem na medida do possível, inclusive com sapatos engraxados ou, quando não é possível, os haitianos costumam lavá-los ao deixarem as ruas de terra por onde andam. Mas para os rest’avec, não há nada disso.

O comum, para esses meninos e meninas, é vê-los sem roupa pelos acampamentos ou, no máximo, com uma camiseta, sem a parte de baixo.

Mesmo os muitos pequenos têm de trabalhar Como são considerados a “sobra” da sociedade, os rest’avec ficam com o que sobra — se isso acontecer. Desta maneira, numa sociedade machista, na qual o espancamento das mulheres é quase uma questão cultural, primeiro alimentam-se os homens, depois os filhos, as mulheres e, se restar alguma comida, os rest’avec.

São eles também que fazem todo o trabalho da casa — levantam mais cedo para buscar água em alguma bica, limpam, cuidam dos outros filhos, ajudam a carregar os alimentos doados. E não importa a idade.

Muitas dessas crianças são dadas a outras famílias com 3, 4 anos — e já têm de trabalhar.

No Haiti, a mortalidade infantil é de 58,7 por mil nascidos vivos — no Brasil, é de 21,86. A taxa de fertilidade é de 3,72 por mulher, enquanto no Brasil é de 2,19. Os homens abandonam as mulheres facilmente e, para elas, muitas vezes não resta saída a não ser doar o filho. A cultura da violência, aliás, chega até mesmo às escolas. Irmã Maria Aparecida Scatolin, uma paranaense há 13 anos no Haiti, conta que é comum professores baterem nos alunos.
Analfabetismo gritante
Os rest’avec apanham de chicote. Irmã Aparecida mantém desde 1999, com outras freiras, uma escola destinada só aos rest’avec. Atualmente, atende a 60 crianças. Para convencer os responsáveis a “emprestá-las” por um período, as freiras dão alimentos aos pais adotivos. Essas crianças e adolescentes, mesmo que quisessem, não seriam admitidas em outras escolas — depois dos 8 anos, elas não são mais aceitas na rede.

— Temos de trabalhar com as famílias e não apenas com as crianças. E, para isso, o incentivo tem de ser também com alimentos, e não apenas com palavras — descreve a religiosa.

A embaixatriz Roseana Kipman, que está no Haiti desde 2006, afirma que numa sociedade com poucas oportunidades para seus membros, são as famílias que escolhem quem estuda ou não. E os rest’avec, na maioria das vezes, são preteridos.

— As famílias escolhem quem julgam que tem mais possibilidade de ajudá-las mais tarde — disse ela.

A taxa de analfabetismo no Haiti é uma das maiores do mundo. Da população acima dos 15 anos, somente 52,9% são alfabetizados — no Brasil, esse percentual atinge 88,6%. Irmã Aparecida, acostumada a lidar com a tragédia diária do país onde vive, só lastima que depois do terremoto o número de rest’avec vá aumentar — e muito.

— Infelizmente, é o que vai acontecer. Afinal, muitos pais morreram...

O tenente-coronel Adriano de Souza Azevedo, responsável pela ação social desenvolvida pelo Exército brasileiro no Haiti, diz que a falta de carinho com as crianças é uma das coisas que mais chocam os militares.

— Quando chegamos a uma comunidade, sempre aparecem crianças para pegar na nossa mão e perguntar se não queremos ser o pai delas. É de cortar o coração.
Fonte:domtotal
http://www.youtube.com/watch?v=VmoxOCwjz_I

Nenhum comentário: